Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Célia e a água doce da infância



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


As Actividades Lúdico-Desportivas nas Práticas de Lazer em Crianças do 1º Ciclo - Parte II
Junho, 2008
Sandra Moreira e Beatriz Pereira - EB 23 de Paredes
Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho


[ver mais artigos deste autor]
Metodologia

Amostra e Instrumento de Investigação

  A amostra neste estudo, realizado através da aplicação de um questionário, foi constituída por 344 crianças das três escolas do 1º ciclo do Agrupamento Vertical Eugénio de Andrade, do 3º e 4º ano de escolaridade, de ambos os sexos, sendo 50% (n=172) do sexo feminino e 50% (n=172) do sexo masculino. O intervalo de idades foi entre os 7 e os 12 anos, a idade média situava-se concretamente nos 8,84 anos. Sendo a idade mais representada os 9 anos (n=161, 46,8%) e verificando-se apenas 1 criança com 7 anos (0,3%) e 2 com 12 anos (0,6%).

Apresentação, Análise e Discussão dos Resultados

Gosto dos Alunos Pelo Desporto

  Quando questionados sobre o seu gosto pelo desporto, a maioria dos alunos (75%) responde que adora, seguindo-se o gosto muito com (18%) e apenas 0,3% refere que não gosta nada.

Gráfico I - Opinião Sobre o Gosto Pelo Desporto



  Numa análise por sexo, verificamos que a tendência da maioria dos alunos em referir que adora desporto se mantém e ao observarmos o Quadro I, constatamos que 83,1% dos rapazes adora desporto, confrontando com uma tendência positiva mas um pouco mais discreta por parte das raparigas com 66,9%.

Quadro I - Gosto Pelo Desporto em Função do Sexo



  Analisando o gosto pelo desporto em função dos que praticam actividade lúdico-desportiva podemos observar que os que adoram desporto são os que apresentam uma maior percentagem de prática de actividade lúdico-desportiva com 52,3%, sendo que o total dos praticantes são 231 crianças. Seguindo-se os que gostam muito com 11,3% de praticantes (Quadro II).

Quadro II - Gosto Pelo Desporto em Função dos que Praticam Actividade Lúdico-Desportiva



Prática Lúdico-Desportiva

  No domínio da prática lúdico-desportiva podemos constatar que a maioria dos alunos 231 (67,2%), dos que compõem a nossa amostra são praticantes de actividade lúdico-desportiva (Gráfico II).

Gráfico II - Alunos que Praticam Actividade Lúdico-Desportiva



Quadro III - Prática Lúdico-Desportiva em Função do Sexo



  Ao analisarmos o quadro III podemos concluir que de uma maneira geral os rapazes são mais activos do que as raparigas, uma vez que 73,8% dos rapazes são praticantes de actividade lúdico-desportiva confrontando com uma tendência positiva mas um pouco mais discreta por parte das raparigas com 60,5%. Da análise deste conjunto de dados podemos concluir que há ainda um grande grupo de alunos (quase 40%) que não desenvolve, nos seus tempos livres, qualquer actividade lúdico-desportiva.

As Modalidades Praticadas

  Ao analisarmos o Gráfico III, correspondente às actividades lúdico-desportivas de ocupação do tempo livre mais realizadas pelas crianças, constatamos que das 231 crianças que praticam actividades lúdico-desportivas referiram como a actividade mais praticada a Natação com 47,6%, seguindo-se o Futebol com 19,9%, o Karaté com 15,6% e a Ginástica com 10,8 %.

Gráfico III - Actividades Lúdico-Desportivas Praticadas



Preferência pela Actividade Lúdico-Desportiva Praticada

  Observando o Gráfico IV podemos verificar que das 231 crianças que praticam actividade lúdico-desportiva, para 74,5% essa actividade é a preferida e que apenas 25,5% não praticam a sua actividade lúdico-desportiva preferida.

Gráfico IV - Preferência pela Actividade Lúdico-Desportiva Praticada



Conclusões

  Neste estudo o número de crianças que participam nas actividades lúdico-desportivas de ocupação do tempo livre é bastante elevado comparativamente aos que não praticam.

(1) Gosto dos Alunos Pelo Desporto.
  No que diz respeito ao gosto pelo desporto, a grande maioria adora desporto sendo esse valor bastante superior em relação aos que gostam muito, aos que gostam mais ou menos e ao caso esporádico que não gosta nada.
  Numa análise por sexo, a tendência da maioria dos alunos, tanto das raparigas como dos rapazes, referiu igualmente que adora ou gosta muito de desporto.
  As crianças que praticam actividade lúdico-desportiva são também as que adoram desporto. Também se pode verificar igualmente que dos que não praticam nenhuma actividade lúdico-desportiva a maior percentagem de resposta refere adorar desporto.

(2) Identificação da Oferta de Modalidades Desportivas pelas Crianças.
  As modalidades identificadas pelos alunos são diversificadas, verificando-se um maior conhecimento da oferta das modalidades de Futebol, Basquetebol, Natação e Karaté, embora outras modalidades como o Andebol, o Tênis, o Hóquei, o Voleibol, o Ballet, a Ginástica, o Hip Hop, a Dança, o Play Gim, Judo, Surf, Aeróbica, Patinagem, Atletismo, Musculação, Capoeira e Pólo Aquático também tenham sido referidas embora com percentagens de identificação moderadas.

(3) Prática Lúdico-Desportiva.
  A maioria dos alunos pratica actividade lúdico-desportiva como prática de lazer, embora se verifique que existe um grupo de alunos que não desenvolve, nos seus tempos livres, qualquer actividade lúdico-desportiva.
Podemos também concluir que os rapazes são mais activos do que as raparigas, constatando-se que o sector masculino continua a praticar, proporcionalmente, mais desporto do que o feminino.
  Ainda relativamente à prática lúdico-desportiva destas crianças, as modalidades que englobam um maior número de praticantes são a Natação e o Futebol.
  A maior parte destes jovens pratica actividade lúdico-desportiva entre duas a três vezes por semana. É de salientar que à excepção das duas a três vezes por semana, que se confirma tanto para os rapazes como para as raparigas, os outros valores por semana demonstram superioridade de prática semanal nos rapazes. Também aqui são as crianças com pais com um nível escolar e profissional elevado as que apresentam valores mais altos de prática semanal.

(4) Preferência pela Actividade Lúdico-Desportiva Praticada
  Das 231 crianças que praticam actividade lúdico-desportiva, para 74,5% essa actividade é a preferida e que apenas 25,5% não praticam a sua actividade lúdico-desportiva preferida.
De uma maneira geral, podemos afirmar que a maioria dos alunos que praticam actividade lúdico-desportiva está satisfeito com a sua prática actual pois pratica a sua actividade preferida, tanto para os rapazes como para as raparigas.
  Nesta mesma questão, contrariamente ao que podemos verificar para as outras, é no nível escolar mais baixo dos pais que se verifica uma maior percentagem de crianças que praticam a sua actividade preferida.

(5) Razões para a Prática e Não Prática de Actividade Lúdico-Desportiva
  Variáveis como a classe de pertença, estrutura familiar, nível de instrução, cultural, económico e o meio em que se reside condicionam as oportunidades, escolhas e preferências das práticas de tempo livre.
  Para as crianças que praticam actividade lúdico-desportiva as principais razões que levam a essa prática são, o gosto pelo desporto, para ficar em forma física, pelo divertimento e ocupação dos tempos livres, por gostar de competir e por querer ser atleta.
  Podemos então afirmar que as razões que levam as crianças a praticar desporto não se prendem com factores de imposição parental.
  Relativamente aos alunos que praticam actividade lúdico-desportiva mas não a modalidade preferida, a falta de tempo, bem como o facto de ainda não terem dito aos pais, o factor económico e a indisponibilidade dos pais para os levarem bem como o facto de não conhecerem nenhum sítio onde possam praticar a modalidade foram os motivos mais identificados como impeditivos da prática da modalidade desejada. A maioria destes alunos referiu razões para a não prática de actividade lúdico-desportiva preferida que se encontram directamente relacionadas ou dependentes da decisão dos seus pais.
  No que diz respeito aos alunos que não praticam qualquer actividade lúdico-desportiva as principais razões que estão subjacentes à não prática, são o factor económico, a indisponibilidade dos pais para os levarem, o facto de não conhecerem nenhum sítio onde possam praticar a modalidade, a falta de tempo, bem como o facto de ainda não terem dito aos pais, o ficar longe de casa e o facto dos pais não deixarem foram os motivos mais identificados como impeditivos para a prática de actividade lúdico-desportiva. De salientar que a grande maioria destes alunos referiram razões para a não prática de actividade lúdico-desportiva que se encontram directamente relacionadas ou dependentes da decisão dos seus pais.
  As razões mais identificadas por este conjunto de alunos, indicam-nos que existem algumas dificuldades em coordenar as actividades escolares e as rotinas diárias, de modo a possibilitar algum tempo livre para a prática de actividade lúdico-desportiva, bem como dificuldades que se prendem com a falta de autonomia e dificuldades em termos de deslocações.
  Para estes alunos as modalidades que gostariam de vir a praticar são a Natação e o Futebol, coincidindo com a prática desejada dos que já praticam actividade lúdico-desportiva, mas não a modalidade desejada.
  Não podemos esquecer que assegurando um correcto desenvolvimento da prática lúdico-desportiva das nossas crianças estamos a apostar na qualidade de vida dos adultos.


Bibliografia

Biddle, S.; Gorely, Trish & Stensel, D. (2004). Health-enhancing Physical Activity and Sedentary Behaviour in Children and Adolescents. In: Journal of Sports Sciences. (pp.679-701). Taylor & Francis Ltd.
Bruner, J. (1986). Jue, Pensée et Langage, Perspectives, Vol.XVI, nº1, pp.83-90.
Esculcas, C. (1999). Actividade Física e Práticas de Lazer na Adolescência: Promoção e Manutenção em Função da Natureza da Actividade Física e do Estatuto Sócio-económico. Dissertação de Mestrado. F. C. D. E. F. - U. P.
Magalhães, P. (2005). As Actividades de Ocupação do Tempo Livre no Contexto Escolar: O Caso da Escola E.B. 2/3 de Paredes. Dissertação de mestrado. FCDEF-UC.
Mota, J. & Rodrigues, S. (1999). Jogo e Espaços Lúdicos Infantis. Oeiras. Câmara Municipal de Oeiras.
Neto, C. (1997b). Tempo e Espaços de jogo para a Criança: Rotinas e Mudanças Sociais. In: Neto, C. (1997). (ed.). Jogo e Desenvolvimento da Criança. Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana, pp. 10-20.
Pereira, B. (1993). A Infância e o Lazer. Estudo da Ocupação dos Tempos Livres da Criança dos 3 aos 10 anos em Diferentes Contextos Sociais. Tese de Mestrado. Lisboa. Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Motricidade Humana.
Portugal. (1998). II Relatório de Portugal sobre a Aplicação da Convenção dos Direitos da Criança. Alto Comissariado para asa Questões da Promoção da Igualdade e da Família. Lisboa.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB