Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Armar as crianças com livros e canetas
08-03-2014
Fátima Missionária
  A ONU lançou nova iniciativa para acabar com o recrutamento e a utilização de crianças em forças governamentais envolvidas em conflitos em 2016. Ban Ki-moon sublinhou que crianças devem ser "armadas" com esferográficas e livros didáticos, não armas.

Em todo o mundo, milhares de meninos e meninas são recrutados para as forças governamentais e grupos armados de oposição, para servirem como combatentes, cozinheiros, carregadores, mensageiros ou noutros papéis. As raparigas – e, por vezes, os rapazes – também são recrutadas para fins sexuais.

A campanha "Crianças, não soldados", lançada num evento especial realizado em Nova Iorque, Estados Unidos da América, apela diretamente aos governos, às organizações regionais e não governamentais para trabalharem com a ONU na intensificação dos esforços para alcançar o "objetivo zero" no uso de crianças por quaisquer forças governamentais em 2016.

"Todas as crianças merecem proteção, não exploração", sublinhou Ban Ki-moon , numa mensagem divulgada por ocasião do lançamento desta campanha pela sua representante especial para as Crianças e Conflitos Armados, Leila Zerrougui. "Eles pertencem à escola, não aos exércitos e grupos que combatem. As crianças devem ser armadas com esferográficas e livros didáticos, não armas".


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB