Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A pena pesada



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Governo espanhol alerta grávidas e crianças para não comerem atum e espinafres
02-07-2011
Expresso
  Não comer atum vermelho ou espinafres, devido ao seu elevado conteúdo em metais pesados, é a última recomendação da agência espanhola de segurança alimentar às grávidas e crianças com menos de três anos.

O atum vermelho, o peixe-espada, o tubarão, a sapateira, os espinafres e as acelgas não devem ser comidos por mulheres grávidas e crianças com menos de três anos, recomenda a Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição (AESAN). E as crianças entre os três e os doze anos não devem consumir mais de 50 gramas daqueles grandes peixes por semana.

A razão é o seu elevado conteúdo em metais pesados, como o mercúrio (peixes), o cádmio (crustáceos) e nitratos (legumes). Estes metais, provenientes da atividade industrial, podem provocar graves alterações no desenvolvimento neuronal do feto e das crianças de tenra idade.

As recomendações baseiam-se num estudo feito pelo comité científico da AESAN, depois de ter sido pressionada pela indústria pesqueira espanhola para reduzir os níveis máximos aceitáveis de mercúrio no pescado.

Recomendações eram insuficientes

Até agora a agência recomendava apenas que as mulheres grávidas e as crianças com menos de três anos não consumissem mais de 100 gramas de peixe-espada e cação por semana, e mais de duas porções de atum vermelho.

Joan Llobet, professor catedrático de farmácia da Universidade de Barcelona, considera as recomendações da AESAN "razoáveis", em declarações ao diário espanhol "El País", embora possam gerar "alarme social e sejam economicamente perigosas".

Por sua vez, Victorio Teruel, chefe da área de gestão de riscos químicos da agência, explicou que "os nitratos em si são pouco tóxicos, mas o corpo humano transforma-os em nitritos, que podem provocar cianose (a doença do bebé azul), por causa da falta de oxigénio no sangue".


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB