Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Um gato debaixo do pinheiro de Natal



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Pinto Monteiro: crianças, idosos e deficientes em primeiro lugar
14-07-2011
ionline
  Combater os grandes crimes "não basta", diz Pinto Monteiro. Os crimes contra idosos e crianças merecem atenção prioritária.

Pinto Monteiro, o procurador -geral da República (PGR), afirma que "não basta combater o chamado grande crime", como a corrupção. Os crimes contra idosos, crianças e deficientes são de investigação prioritária.

Em declarações proferidas ontem na cerimónia de recepção a novos magistrados do Ministério Público na Procuradoria, o mais alto responsável desta magistratura deixou bem claro que não está em sintonia com as declarações da nova ministra da Justiça. Paula Teixeira da Cruz deu como fundamental o combate ao crime económico, e não está sozinha. Maria José Morgado, a responsável pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP), também alertou para este problema, principalmente em tempos de crise económica.

O procurador, por sua vez, quer fazer a diferença: "Contrariando uma ideia hoje muito divulgada, penso que não basta combater o chamado grande crime, remetendo outros ilícitos para uma área considerada menor", afirmou.

Não se pode privilegiar o combate aos crimes contra o património em detrimento das ofensas contra as pessoas. Isso não quer dizer que se esqueça a criminalidade económica e a corrupção, "mas não pode considerar-se como bagatela tudo o que diga respeito à pessoa humana mais frágil", disse Pinto Monteiro, aludindo designadamente aos idosos, às crianças e aos deficientes. Quanto à luta contra a corrupção, embora não apresente ainda os resultados que seria de esperar, está consideravelmente melhor que há uns anos, garante. Sobre a magistratura que representa, afirmou que "há muito a melhorar no Ministério Público , mas muito tem sido feito".

Violência escolar Recuperando uma das suas preocupações iniciais, Pinto Monteiro afirmou que se constituiu uma equipa especial para avaliar a situação de 15 mil crianças institucionalizadas e se iniciou um "verdadeiro combate" à violência escolar. Ainda neste sentido, frisou que a acção desta magistratura "não se esgota na luta contra o crime". Muito é feito na área da justiça cível, dos tribunais administrativos e da defesa do ambiente.

Depois de chamar a atenção para os cidadãos mais frágeis, concluiu que não se deve esquecer a necessidade de uma maior especialização dos magistrados, um esforço de coordenação com os órgãos de polícia criminal e a clarificação do novo mapa judiciário, um dos projectos do governo anterior.

Não é inédita a divergência de opiniões entre o PGR e actual ministra da Justiça. E nada indica que estes diferendos venham a esbater-se com o tempo. Basta recordar as últimas declarações da titular da pasta da Justiça, em que expressava o seu desacordo em relação à falta de poderes do procurador-geral da República. Certo é que Pinto Monteiro já deixou bem claro que tenciona manter-se em funções, quer o governo goste quer não, e que só o Presidente da República o pode demover destas intenções.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB