Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



A arca de Zoe

[Ler / Descarregar versão pdf]
  Lá fora está a chover muito, muito.

   — Mas que dilúvio! — diz a mãe.

   — Nós temos sorte — diz o pai — aqui sossegados e no quentinho.

   Zoe está à mesa com a irmã mais velha, Marina, o pai, a mãe, e o irmãozinho mais novo está sentado ao lado deles na cadeira alta, porque ainda é bebé.

   Marina, que já vai à escola porque é grande, tem coisas importantes para dizer e, para as contar, usa frases compridas:

   — Esta manhã, no recreio, o Mateus, sabes, o amigo do Frederico, aquele que tem uma camisola vermelha com o Zorro, bem, ele atacou a Maria, sabes, aquela que era minha amiga mas que agora já não é porque foi dizer à Clara, na piscina, sabes, ontem ao meio-dia, que as minhas meias cheiravam a queijo Camembert podre.

   Zoe, que é mais pequena, pôs-se a rir. Ela não entendeu a história toda, só percebeu que uma menina tinha dito que as meias da Marina cheiravam a camembert podre. E isso dá-lhe vontade de rir.

   — Não tem graça! — respinga Marina. — Pára de rir, Zoe, ou nunca mais falo contigo!

   — É preciso mudar de meias todas as manhãs, querida! — é o conselho da mãe.

   — Pois — resmunga Marina. — É o que eu faço. As minhas meias nem cheiram mal!

   — Ora deixa ver — pede Zoe.

   Marina tira a pantufa com um pontapé e pousa a perna em cima da mesa para pôr o pé debaixo do nariz de Zoe, que o fareja cuidadosamente.

   — Não, não cheira a camembert podre. Só um bocadinho a gruyère ralado! — diz Zoe.

   — Eh, Marina, onde é que pensas que estás? — resmunga o pai. — Porta-te bem à mesa, se faz favor. Vá, come.

   Zoe bem gostava de contar montes de coisas apaixonantes, como a irmã, mas não sabe o quê. Então lembra-se de dizer:

   — Hoje tive um sonho.

   — Oh, que frase tão bonita que acabaste de dizer, minha querida. Um dia, uma pessoa importante disse a mesma coisa que tu…

   — Eu também tive um sonho! Muitos, até! — disse Marina muito rapidamente, para não julgarem que Zoe era a única a sonhar na família.

   E continua:

   — Sonhei que estava uma banana descascada na banheira e que eu não conseguia agarrá-la porque ela escorregava como um sabonete!

   Zoe desata a rir. O sonho da Marina é mesmo engraçado! A irmã mais velha tem sorte em ter sonhos daqueles.

   Toda a gente se ri do sonho da Marina. Até o Leonardo lhe acha graça e ri às gargalhadas, batendo com a colher no prato para mostrar a sua boa disposição.

   — Bem, vamos lá acalmar-nos! — disse a mãe, porque o puré do Leonardo está a borrifar tudo e as paredes não precisam de comer puré para crescer, ao passo que o bebé, sim.

   — E tu, minha querida, com o que é que sonhaste? — pergunta o pai a Zoe.

   — Com animais — diz Zoe, muito timidamente.

   Ninguém se ri, evidentemente. Sonhar com animais é menos engraçado do que sonhar com uma banana numa banheira.

   Zoe suspira. É pena que o seu sonho não faça rir ninguém.

   — Que animais eram e o que é que estavam a fazer? — pergunta a mãe.

   Zoe já não se lembra lá muito bem. Procura inventar qualquer coisa engraçada, qualquer coisa de extraordinário que cause espanto a toda a gente à mesa.

   Mas não lhe vem nada à cabeça. E depois a Marina atrapalha-a um pouco porque diz:

   — Eu sei! As vacas mugiam, as cabras baliam, os leões rugiam, os patos grasnavam… e as galinhas… as galinhas cacarejavam!

   Ela julga que sabe tudo, a Marina! Até sobre os animais do sonho de Zoe ela pensa que sabe! Mete uns nervos!

   — Não! — diz Zoe. — O meu sonho não era nada disso. Tu não sabes porque nem sequer lá estavas. Só eu. Eu, e os animais, vês?

   Isto faz calar o bico à Marina.

   — Então o que é que os teus animais estavam a fazer, hã? Anda, diz lá, já que tu é que sabes! — ordena Marina.

   De repente, Zoe tem uma ideia. E diz:

   — Estavam a casar-se.

   Silêncio em volta da mesa. Zoe pergunta-se se disse alguma asneira. Mas não. O pai disse:

   — Devia ser bonito!

   — Era — diz Zoe. — Era muito bonito. O Sr. Leão com a Sr.ª Leão, o Sr. Porco com a Sr.ª Porco, o Sr. Galinha com a Sr.ª Galinha, o Sr. Vaca com a Sr.ª Vaca…

   — Queres tu dizer, a porca com o porco, o galo com a galinha, o touro com a vaca… — interrompe Marina.

   — Não! — grita Zoe. — Está calada. Nem estavas no meu sonho, portanto não sabes!

   E continua:

   — Estavam os animais todos aos pares, em filinha indiana a casar-se todos. E pronto. E só lá estava eu a ver.

   E quanto mais pensa no que disse, mais Zoe se convence que sonhou mesmo com aquilo. Ela quase se lembra e até está a vê-los!

   — E depois, esses animais todos para onde é que foram? — perguntou a mãe.

   Naquele instante, Zoe interroga-se por uns momentos.

   Depois diz:

   — Foram, foram…

   Marina sugere:

   — Para o mar?

   Zoe está tentada a dizer que sim. É lindo, um casamento no mar. Diz que sim com a cabeça e Marina está contente porque adivinhou.

   — Sim — confirma Zoe. — foram para o mar.

   — E lá — diz o pai – e baixa a voz para criar mistério – entraram para o barco da Zoe!

   Zoe fica de boca aberta.

   — Como é que soubeste? — pergunta Marina. — Tu também não estavas no sonho dela!

   — Não estava — diz o pai — mas adivinho!

   — Pois é, o pai adivinhou, tem esse direito! — proclama Zoe.

   Marina amua um pouco.

   — Se adivinho — diz o pai — é porque, um dia, há muito tempo, aconteceu uma história como esta. Os animais, para escaparem a um dilúvio bem pior do que este, entraram aos pares, o macho e a fêmea, para um barco muito bem fechado que vagueou durante muito, muito, muito tempo, quarenta dias e quarenta noites! Um barco maravilhoso a que se deu o nome de arca! E sabem como se chamava a pessoa que os fez entrar na arca?

   — Noé! — grita Marina.

   — Sim, Zoe! — grita Zoe encantada.

   — Quase! — o pai ri-se.

   — Quase.

   — Então a Zoe copiou o sonho! — resmungou Marina. — Já alguém o tinha sonhado.

   Zoe sente-se um pouco triste.

   — Não é verdade! — diz ela.

   — Ora — diz o pai — ninguém sonha o mesmo sonho de outra pessoa, é impossível. Mas, por vezes, talvez, ao longo de muito tempo, os sonhos se juntem. Talvez…

   Continua a chover.

   — Não vamos poder ir brincar para o jardim público — lamenta-se Marina.

   — Não — diz a mãe — não vão poder, mas não importa. Inventem uma brincadeira engraçada para fazer em casa.

   — Não — diz Marina amuada. — Não vamos encontrar nada de engraçado para fazer em casa. O único divertimento vai ser ficar aborrecidas.

   Mas Zoe tem uma ideia.

   — Eu vou fazer a arca debaixo da mesa.

   — A arca de Noé?

   — Sim, a arca de Zoe — responde Zoe.

   — Eu vou ajudar-te — decide Marina.

   Zoe vai ao quarto. Pega no urso de calças e Marina pega no dela, que tem uma saia, e sentam-nos debaixo da mesa, que está coberta por uma toalha e faz dela uma óptima arca secreta.

   — O Sr. Urso e a Sr.ª Ursa! — exclama Marina.

   Voltam ao quarto e pegam numa mota e num camião pequeninos.

   — Vamos lá, Sr. Camião! Para o barco com a Sr.ª Mota!

   E metem ainda uma Barbie com o Super-Homem e um balão com uma bolinha.

   E a seguir, vão procurar por toda a casa outras coisas para casar e levarem para a arca de Zoe:

   O Sr. Pente e a Sr.ª Escova;

   O Sr. Sapato e a Sr.ª Chinela;

   O Sr. Copo e a Sr.ª Chávena… de café;

   A Sr.ª Garrafa e o Sr. Frasco de perfume;

   O Sr. Pijama e a Sr.ª Camisa de dormir;

   A Sr.ª Mostarda e o Sr. Ketchup;

   A Sr.ª Bolacha e o Sr. Biscoito de chocolate!

   Leonardo também aparece com duas meias mal-cheirosas.

   — Vai-te embora, Leo, que isso cheira mal! — diz Marina a rebentar de riso.

   — Não quero isso na minha arca! — protesta Zoe. — Vai-te embora, Leo!

   A mãe tira-lhe as meias.

   De gatas, Leonardo tenta entrar na arca. Desarruma um pouco as coisas, senta-se em cima do Sr. Ketchup, entorna a Sr. Garrafa.

   — Papá, mamã! — gritam Marina e Zoe. — Venham buscar o Leo, está a aborrecer-nos!

   — Então, meninas! — diz o pai. — Ainda há um lugarzinho na arca para o Leo!

   — Não — diz Marina. — Já não há lugar, o barco vai sair

   — Façam um esforço! — continua o pai.

   As meninas pensam um pouco.

   — Ele pode ficar — diz Zoe a Marina. — Ele é o Sr. Irmão e tu és a Sr.ª Irmã!

   — Está bem.

   — Leo! Ele está a comer o Sr. Biscoito!

   — Então nós vamos ter de comer a Sr.ª Bolacha…

   — Com ketchup… — acrescenta Zoe, mergulhando o seu resto de bolacha no ketchup que escorre por debaixo da mesa.

   — Venham ver! — diz a mãe. — O sol já voltou!

   As crianças põem todas a cabeça fora da arca para ver.

   — Não haverá por acaso um arco-íris, meninas? — pergunta o pai.

   Marina e Zoe correm para a janela. Esticam o pescoço para ver, mas não vêem.

   — Não — diz Marina. — Não há.

   — Sou eu que digo — diz Zoe. — Não, papá, não há.

   — É pena — diz o pai com um sorriso. — Passamos bem sem ele.

   — Mas no meu sonho havia lá um — afirma Zoe. — Com oito cores!

   — Sete! — contradiz Marina.

   — Oito! — berrou Zoe. — E cala a boca. Tu não estavas lá!

  

Jo Hoestlandt
L’arche de Zoe
Arles, Actes Sud, 2003
Texto adaptado
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB