Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Quem pode parar o vento?



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Jogos e televisão aumentam obesidade infantil
20-10-2007
Portugal Diário
  Estudo debruçou-se sobre os hábitos de lazer das crianças e a influência do ambiente familiar

   O tempo que as crianças passam em frente à televisão ou entretidas com jogos electrónicos aumenta o risco de obesidade infantil, revela um estudo realizado por uma especialista em Antropologia da Universidade de Coimbra.

   "Enfatizamos o efeito do computador, televisão e jogos electrónicos para saber qual o reflexo nos valores de obesidade. Concluímos que quanto mais tempo as crianças passam à frente da televisão, maior é o risco de obesidade", disse à agência Lusa Cristina Padez, do departamento de Antropologia da UC.

   O trabalho, realizado a nível nacional, envolveu mais de 4.500 rapazes e raparigas dos 7 aos 9 anos "com excesso de peso ou obesos" e respectivas famílias e debruçou-se sobre os hábitos de lazer das crianças e a influência do ambiente familiar na obesidade infantil, entre outros aspectos.

   À frente da televisão as crianças petiscam e comem entre refeições, o que constitui, segundo a investigadora, uma factor de risco, associado à publicidade de bens alimentares. "A indústria alimentar sabe bem os espaços em que faz publicidade a determinados produtos", acrescenta Cristina Padez.

   O estudo aponta os jogos electrónicos como outro dos factores de risco na obesidade infantil, mas não conclui o mesmo em relação ao tempo passado à frente do computador.

   O tempo de sono é outro dos factores de risco, inversamente proporcional à obesidade infantil: "As crianças que menos dormem têm risco maior", revela Cristina Padez.

   Defendeu ainda que os pais tentem ocupar os fins-de-semana em actividades ao ar livre com os filhos, aludindo ao exemplo dos países nórdicos que, ao contrário do "tempo extraordinário" existente em Portugal, "têm um tempo péssimo, pouca luz natural ao longo do ano e aproveitam ao máximo os tempos livres".

   O estudo realizado pelo departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra vai estar na base de uma conferência de Cristina Padez, subordinada ao tema "Do saltar à corda à Playstation: obesidade infantil numa perspectiva biocultural", agendada para 05 de Dezembro.

  


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB