Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



O almoço da pequena ogra

[Ler / Descarregar versão pdf]
  É uma pequena ogra. A mãe morreu, o pai também, e ela vive sozinha num castelo enorme.

   Todos os domingos, a pequena ogra come uma criança ao almoço. Para os ogros, trata-se de uma tradição familiar: come-se uma criança por semana e duas nos dias de festa.

   A pequena ogra caça a criança à quarta-feira.

   No meio de um caminho, instala uma jaula cuja porta é mantida aberta por uma corda. Na jaula, põe um bolo. As crianças querem o bolo e entram na jaula: são tão ingénuas! Logo que a ogra solta a corda, a porta fecha-se, a criança grita, chora, chama pela mãe, mas já é demasiado tarde.

   Numa quarta-feira, a pequena ogra vê um rapaz aproximar-se da jaula.

   Pára, olha para cima e vê-a. "Que maçada!", pensa a ogra.

   Mas o rapaz entra na jaula e senta-se tranquilamente ao fundo.

   — Livra — diz a ogra — este é ainda mais ingénuo do que os outros.

   E larga a corda.

   O rapaz não chora, não grita, não chama pela mãe.

   Diz: — Bom dia, és uma verdadeira ogra?

   — Que criança estranha — pensa. "Pergunto-me se é comestível."

   — Reconheci-te — diz o rapaz — porque li um livro sobre a vida dos ogros.

   — Ai, sim! Está bem — responde a ogra. Põe a jaula num monta-cargas e leva-a para casa.

   A pequena ogra pica o rapaz com um garfo e serve-lhe uma salada de sal e pimenta, para dar mais sabor à sua carne. Geralmente as crianças não querem engolir nada, mas este rapaz quer mais. E pede também molho.

   E quando, no domingo, a pequena ogra entra na cozinha, encontra a jaula aberta. O rapaz saiu; está a pôr a mesa. — É para te ajudar — diz. — Mas se preferires, posso voltar a pôr tudo no sítio.

   O rapaz volta a pôr tudo no seu lugar. Constrói ainda uma escada para guardar os tachos em cima, e passa a esfregona.

   E explica: — Esta jaula tem um problema, fecha mal. Olha: falta-lhe um cunho.

   Depois disso, entra de novo na jaula e fecha a porta. A pequena ogra diz com os seus botões que não tem assim tanta fome para comer uma criança daquelas. Comê-la-á no próximo domingo.

   Na quarta-feira, a ogra acorda de mau humor.

   Até gostaria de ir à caça, mas a jaula está ocupada.

   Podia comer o rapaz ali mesmo, naquele momento, mas não é domingo.

   Sai. Dá pontapés nas árvores e nas pedras. Está de muito mau humor.

   Quando volta à noite, a jaula está vazia. A ogra fica furiosa: deita as cadeiras por terra, procura nas prateleiras, ralha.

   Depois, põe-se a chorar. Então, o rapaz sai do esconderijo.

   — Eu saí para beber um copo de água — murmura ele. — Estás zangada?

   — Não — funga a ogra. E é verdade, já não está zangada.

   Diz: — Se quiseres, faço-te um molho.

   Então fazem o molho, constroem escadas...

   E quando chega o segundo domingo, a pequena ogra dá-se conta de que não tem vontade nenhuma de comer aquele rapaz.

   Mas, quando se é uma ogra com sete anos, em plena fase de crescimento, tem de se comer crianças. Se não, fica-se doente.

   E é o que acontece. Segunda-feira, a pequena ogra sente-se fraca.

   Terça-feira, tem febre. Quarta-feira, está a tremer e já não se pode levantar.

   O rapaz fica dia e noite à cabeceira da ogra.

   Só a deixa para ir preparar uma infusão ou uma compressa de água morna.

   No sono, a ogra range os dentes e murmura: — Hei-de comê-lo, hei-de comê-lo...

   O rapaz dá-lhe a mão para afastar o pesadelo.

   Na quinta de manhã, quando ele acorda, tem a mão na boca da ogra. — Acho que é melhor eu ir-me embora — diz.

   A ogra mostra-lhe um sorriso minúsculo e murmura: — Era xó p’ra provar.

   Então, o rapaz vai-se embora.

   Mas pensa muitas vezes na pequena ogra.

   Não consegue deixar de pensar nela. Um dia, muito tempo depois, decide ir visitá-la. A pequena ogra cresceu. Tornou-se uma jovem ogra muito bonita.

   O rapaz nem quer acreditar no que vê. —Voltei — diz. — E, agora, gostava de casar contigo.

   Então a ogra promete que não vai comer mais ninguém. Casam e têm muitos filhos.

   À quarta de tarde passeiam com a família na floresta. De cada vez que isso acontece, a ogra pensa: "Foi aqui que encontrei o meu marido." E, a seguir, diz: — Despachemo-nos, meninos, são quase horas do lanche.

Anaïs Vaugelade
Le déjeuner de la petite ogresse
Paris, l’école des loisirs, 2002
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB