Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O verdadeiro valor do anel



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



O almoço da pequena ogra

[Ler / Descarregar versão pdf]
  É uma pequena ogra. A mãe morreu, o pai também, e ela vive sozinha num castelo enorme.

   Todos os domingos, a pequena ogra come uma criança ao almoço. Para os ogros, trata-se de uma tradição familiar: come-se uma criança por semana e duas nos dias de festa.

   A pequena ogra caça a criança à quarta-feira.

   No meio de um caminho, instala uma jaula cuja porta é mantida aberta por uma corda. Na jaula, põe um bolo. As crianças querem o bolo e entram na jaula: são tão ingénuas! Logo que a ogra solta a corda, a porta fecha-se, a criança grita, chora, chama pela mãe, mas já é demasiado tarde.

   Numa quarta-feira, a pequena ogra vê um rapaz aproximar-se da jaula.

   Pára, olha para cima e vê-a. "Que maçada!", pensa a ogra.

   Mas o rapaz entra na jaula e senta-se tranquilamente ao fundo.

   — Livra — diz a ogra — este é ainda mais ingénuo do que os outros.

   E larga a corda.

   O rapaz não chora, não grita, não chama pela mãe.

   Diz: — Bom dia, és uma verdadeira ogra?

   — Que criança estranha — pensa. "Pergunto-me se é comestível."

   — Reconheci-te — diz o rapaz — porque li um livro sobre a vida dos ogros.

   — Ai, sim! Está bem — responde a ogra. Põe a jaula num monta-cargas e leva-a para casa.

   A pequena ogra pica o rapaz com um garfo e serve-lhe uma salada de sal e pimenta, para dar mais sabor à sua carne. Geralmente as crianças não querem engolir nada, mas este rapaz quer mais. E pede também molho.

   E quando, no domingo, a pequena ogra entra na cozinha, encontra a jaula aberta. O rapaz saiu; está a pôr a mesa. — É para te ajudar — diz. — Mas se preferires, posso voltar a pôr tudo no sítio.

   O rapaz volta a pôr tudo no seu lugar. Constrói ainda uma escada para guardar os tachos em cima, e passa a esfregona.

   E explica: — Esta jaula tem um problema, fecha mal. Olha: falta-lhe um cunho.

   Depois disso, entra de novo na jaula e fecha a porta. A pequena ogra diz com os seus botões que não tem assim tanta fome para comer uma criança daquelas. Comê-la-á no próximo domingo.

   Na quarta-feira, a ogra acorda de mau humor.

   Até gostaria de ir à caça, mas a jaula está ocupada.

   Podia comer o rapaz ali mesmo, naquele momento, mas não é domingo.

   Sai. Dá pontapés nas árvores e nas pedras. Está de muito mau humor.

   Quando volta à noite, a jaula está vazia. A ogra fica furiosa: deita as cadeiras por terra, procura nas prateleiras, ralha.

   Depois, põe-se a chorar. Então, o rapaz sai do esconderijo.

   — Eu saí para beber um copo de água — murmura ele. — Estás zangada?

   — Não — funga a ogra. E é verdade, já não está zangada.

   Diz: — Se quiseres, faço-te um molho.

   Então fazem o molho, constroem escadas...

   E quando chega o segundo domingo, a pequena ogra dá-se conta de que não tem vontade nenhuma de comer aquele rapaz.

   Mas, quando se é uma ogra com sete anos, em plena fase de crescimento, tem de se comer crianças. Se não, fica-se doente.

   E é o que acontece. Segunda-feira, a pequena ogra sente-se fraca.

   Terça-feira, tem febre. Quarta-feira, está a tremer e já não se pode levantar.

   O rapaz fica dia e noite à cabeceira da ogra.

   Só a deixa para ir preparar uma infusão ou uma compressa de água morna.

   No sono, a ogra range os dentes e murmura: — Hei-de comê-lo, hei-de comê-lo...

   O rapaz dá-lhe a mão para afastar o pesadelo.

   Na quinta de manhã, quando ele acorda, tem a mão na boca da ogra. — Acho que é melhor eu ir-me embora — diz.

   A ogra mostra-lhe um sorriso minúsculo e murmura: — Era xó p’ra provar.

   Então, o rapaz vai-se embora.

   Mas pensa muitas vezes na pequena ogra.

   Não consegue deixar de pensar nela. Um dia, muito tempo depois, decide ir visitá-la. A pequena ogra cresceu. Tornou-se uma jovem ogra muito bonita.

   O rapaz nem quer acreditar no que vê. —Voltei — diz. — E, agora, gostava de casar contigo.

   Então a ogra promete que não vai comer mais ninguém. Casam e têm muitos filhos.

   À quarta de tarde passeiam com a família na floresta. De cada vez que isso acontece, a ogra pensa: "Foi aqui que encontrei o meu marido." E, a seguir, diz: — Despachemo-nos, meninos, são quase horas do lanche.

Anaïs Vaugelade
Le déjeuner de la petite ogresse
Paris, l’école des loisirs, 2002
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB