Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Mamadou sorri enquanto bebe uma chávena de chá



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



A biblioteca viva

[Ler / Descarregar versão pdf]
  Era uma vez, na Roma antiga, um homem muito rico, que gostava de exibir a sua riqueza em festas fabulosas.

   Mas havia um inconveniente.

   Como o ricaço tivesse pouca instrução, com dificuldade acompanhava as conversas dos seus convidados, que apreciavam falar de literatura e de outros assuntos desenvolvidos em livros que ele desconhecia.

   Apercebendo-se disso, ordenou ao governante do seu palácio que escolhesse uns tantos escravos inteligentes e de boa memória. Para quê? Para obrigar cada um deles a decorar um livro. Queria assim provar que os livros eram dispensáveis, desde que se dispusesse de escravos capazes de os saber de cor e salteado.

   A aprendizagem dos escravos demorou, mas, ao fim de algum tempo, este homem muito rico podia orgulhar-se de possuir a única biblioteca viva de todo o Império romano.

   Sempre que queria mostrar que não ficava atrás dos seus convidados mais cultos, o homem muito rico batia palmas e chamava, pelo nome da obra, o escravo que a tinha decorado. Tanto podia ser a Ilíada, como a Odisseia ou a Eneida. O escravo recitava-a, fosse do princípio, fosse do meio, fosse do fim para o princípio.

   De uma vez, estava o homem muito rico à conversa com alguns poetas e escritores, e quis embasbacá-los.

   — Conheço uma passagem da "Ilíada" que vem a propósito do que estávamos a conversar — disse ele, enquanto batia palmas — Chamem o "Ilíada".

   Mas o escravo que sabia a "Ilíada" não apareceu.

   — O que se passa? – perguntou o homem muito rico, estranhando a demora.

   O governante do palácio, aflito, ajoelhou-se aos pés do seu exigente patrão e balbuciou:

   — Perdoai-me, senhor, mas o "Ilíada" está com dores de barriga.

   Parece que foi a partir deste incidente que o homem muito rico se resolveu a ganhar instrução pelos seus próprios meios.

António Torrado
www.historiadodia.pt
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB