Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A Noite de Natal (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Como convencer as crianças a comer legumes?
Junho, 2009
Dra. Solange Burri - Consultora em Alimentação
Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil


[ver mais artigos deste autor]
  Conhecidos pela sua riqueza em vitaminas e sais minerais, os legumes representam uma batalha para os pais que desejam introduzir estes alimentos na dieta infantil. O que pode ser feito para facilitar esta tarefa? Tome nota dos nossos conselhos…

  Muito se tem falado, nos últimos anos, sobre a importância do consumo de hortofrutícolas, não só pela riqueza em antioxidantes mas também pela capacidade de reduzir da dieta, a ingestão de alimentos menos saudáveis, estes sim na origem do desenvolvimento de várias doenças. Por isso é importante, logo desde o início da alimentação do bebé, implementar hábitos alimentares saudáveis, onde será mais fácil o seu enraizamento e mais prolongado será o efeito na qualidade de vida do indivíduo.

  Mas como fazer para convencer as crianças a consumir legumes que, mesmo coloridos, não lhes aguçam a curiosidade? Na verdade, este processo de recusa representa um mecanismo de defesa, apreendido ao longo da evolução do Homem que aprendeu a colectar as plantas comestíveis e a cozinhá-las para que se tornassem, não só mais saborosas, mas também mais fáceis de digerir. E este aspecto é, sem dúvida, uma das principais causas de sucesso para convencer as crianças: tornar os vegetais saborosos e atractivos.

  Durante a gravidez, através da placenta, e durante a amamentação, a criança é exposta à alimentação que a mãe realizou. No entanto, quando a diversificação alimentar tem lugar e a criança se torna mais selectiva, outros sabores se evidenciam deixando para trás os sabores desinteressantes que os legumes oferecem. Os pais, pressionados pela selectividade que a criança apresenta, por volta dos 2 anos, limitam os legumes à sua apresentação mais prática: a sopa. E se este alimento não adquire, ao longo do tempo, uma postura atractiva, então em poucos anos fica o "caldo entornado": a criança totalmente adaptada à alimentação adulta consegue persuadir os adultos que o seu consumo já não é relevante! Para o bem de todas as crianças mas também para o bem da restante família, é da maior importância que a mãe seja dinâmica, ofereça legumes de forma atractiva e…que também dê o exemplo! Cada dia. E aqui estão outros factores de sucesso: a forma de apresentação, a variedade regular e a frequência com que os legumes são oferecidos.

  Portanto, simplificando, é apenas importante que adquira os legumes e os prepare, tornando-os saborosos, preservando ao máximo as suas propriedades benéficas, com o menor esforço possível e a segurança máxima. Veja como:
  Compre os legumes em quantidade reduzida. Estes alimentos são facilmente perecíveis e quando armazenados no frigorífico perdem sabor…e vitaminas! E ficam sujeitos a grandes e monótonos preparados, nada aconselhado. Prefira-os bem frescos, ou então ultra-congelados, cuja qualidade por vezes é superior.
  Ao preparar os legumes, apenas no caso de consumir crus, e com casca, é que deve desinfectá-los previamente. Para tal, utilize produtos próprios para o efeito, na dose recomendada. Lave em água corrente e depois de cortados, não os deixe de molho. Se não forem de origem biológica ou integrada, remova a casca.
  A confecção: pouca gordura, pouco sal, pouco tempo. O método culinário que utilizar condicionará o tempo de preparação, que deve apenas prolongar até os legumes estarem tenros. Cozinhe tapado para elevar a temperatura e eliminar bactérias presentes. Incorpore os legumes, em pequena quantidade, nos preparados culinários que realiza: assados, estufados, no arroz ou nas massas, permitindo mil ideias! É este o segredo dos mais pequenos! Sabores individualizados em cada preparação!
  E na certeza que conseguirá inverter as preferências alimentares dos mais pequenos, lembre-se: quanto mais cedo iniciar este processo, mais cedo terá resultados. Para as crianças mais resistentes, as estratégias são ainda mais interessantes: envolvê-los na preparação culinária, contar-lhes histórias sobre os alimentos, ensinar-lhes que "a cenoura faz bem aos olhos"… brincar com eles, estimular o convívio social na hora da refeição, é imprescindível! Não desanime se a criança, num dia, não comer os legumes que preparou. Estará de qualquer modo a ingerir parte dos seus benefícios que ficaram na água do preparado culinário mas também a estimular as suas papilas gustativas. É apenas uma questão de tempo. E de exemplo.
  Lembre-se: o aumento da ingestão de vitaminas, sais minerais e fibra na alimentação familiar, não é um processo insípido…é apenas uma questão de estratégia.

Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil
www.solangeburri.blogspot.com
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB