Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Gutierres, o homem das forças



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Pai do século XXI
Março, 2008
Teresa Paula Marques - Psicóloga Clínica
www.teresapaulamarques.com

[ver mais artigos deste autor]
  O homem deste século deseja mostrar o seu lado mais emocional porque, afinal de contas, todos nós sabemos que os homens também choram ...

  Fala-se muito da crise da família. Alguns afirmam até, que as verdadeiras famílias deixaram de existir e agora só persistem fragmentos. Esta ideia é completamente falsa e o que de facto se passa, é que a família se encontra em profunda mutação, mudança essa que tem que ser encarada de frente para que consigamos gerir a diferença, sem angústias desnecessárias.

  Existem agora famílias de muitos tipos: monoparentais, reconstruídas, alargadas, de acolhimento, adoptivas, etc. A maior parte dos casais tem unicamente um filho, o que pressupõe que as crianças são muito planeadas e desejadas. Por outro lado, apenas uma minoria, usufrui dos cuidados permanentes da mãe, já que as mulheres optaram por responder ao apelo de trabalhar fora de casa, o que as torna mais felizes do ponto de vista individual e não prejudica necessariamente a educação dos filhos.

Mudança de papéis

  Neste contexto, também os papeis das figuras parentais, acabaram por sofrer profundas mudanças. Aquilo a que assistimos durante décadas deixou de ser uma realidade. Essa realidade pode até chocar as gerações mais antigas, onde o homem e a mulher tinham papeis muito distintos dos que desempenham actualmente.

  Deixando de lado o caso dos pais solteiros, ou dos divorciados, podemos constatar que mesmo nos casais que se mantêm juntos, a vida familiar se tem vindo a alterar. A imagem do pai deste século, é de um homem emocional e activo no que respeita às questões do lar. Vai buscar os filhos ao infantário e ajuda nas tarefas caseiras como aspirar a casa ou mesmo lavar a louça. É um homem interventivo, que gosta de partilhar tarefas e que as faz na perfeição. É com agrado que se desloca às compras ao hiperpermercado, mesmo que para isso leve uma lista elaborada pela esposa. Não demonstra nenhum acanhamento em fazê-lo, porque encara essa atitude como algo perfeitamente natural.

Viva também a gravidez a dois

  Muitos são os homens que fazem absoluta questão de estarem presentes nas consultas pré-parto e durante os exames complementares, como é o caso das ecografias. Ao nível psicológico este facto é de extrema importância porque o envolvimento masculino no processo da gravidez, acaba por ser sempre um pouco mais vivido á distância, já que não existe possibilidade de uma vivência física.

  Ao assistir às ecografias, o pai vive um momento único, que muitas vezes é descrito como a constatação prática de que o bebé é real, que algo muito querido vai crescendo no interior da mãe. Um pouco mais tarde, são convidados a fazerem parte das aulas de preparação para o grande momento do nascimento. E, em regra, respondem de imediato à chamada. Aprendem a ajudar a mulher, a acalmá-la e a poderão constituir importantes pilares de apoio no momento do parto.

  Contudo, esta questão ainda não é muito linear, porque a boa vontade só não conta. Outros factores como as regras do hospital e também a emoção do momento, podem condicionar a presença do pai na sala de parto. Nesse caso, é melhor desistir da ideia e deixar que os médicos e enfermeiras tratem do assunto.

Os primeiros dias em casa...

  As coisas complicam-se nos primeiros dias, sobretudo quando se trata do primeiro filho. São os horários a cumprir, as tarefas rotineiras e, muitas vezes, um ser pequenino e frágil que reclama por tudo e por nada.

  É o momento do pai entrar em plena actividade. Para mudar uma fralda não é preciso muita sabedoria, basta um pouco de jeito e, sobretudo muito amor e boa vontade. Aqui fazemos um parêntesis para nos dirigirmos directamente às mães. Nós sabemos que nos ensinaram que o papel de mãe implicava mudar fralda, dar biberon ou peito, aconchegar.... mas os tempos mudaram, portanto há que haver adaptações.

  Se o seu companheiro está disposto a ajudar, estimule-o nesse sentido. Divida tarefas. Consegue ficar com um pouco mais de tempo para si e vai ver que tudo correrá bastante melhor. Nenhuma mulher é capaz de ser boa mãe, mulher e profissional, ao mesmo tempo. Não é humanamente possível, nem devemos tentá-lo. Algumas desistem de serem mães e optam pela carreira, outras engolem a ambição e vivem toda a vida a culpar a família, silenciosamente, por não terem tido coragem de mudar de vida.

Deixe-o ajudá-la

  Actualmente, quase a totalidade de especialistas em Ciências Humanas se colocam de acordo num ponto, o homem tem tantas competências como a mulher para cuidar de uma criança. Precisa apenas que o deixem ajudar, sem que nós mulheres, nos sintamos ameaçadas no nosso papel de fêmeas. Ter mais duas mãos e dois braços é algo precioso em muitos momentos. Além disso, também é a relação de casal que sai reforçada, porque aprendem a viver e a partilhar os momentos bons e maus na vida, no verdadeiro sentido das palavras.

Emoções masculinas

  As estatísticas mostram, que a maior parte dos homens morre devido a problemas cardíacos. Possivelmente devido ao facto de passarem uma vida inteira a negar os seus sentimentos de medo, angústia e até a esconderem a sua fragilidade emocional.

  O síndroma do "homem não chora" tem custos internos muito grandes, que os homens deste século não estão com vontade de pagar. Assiste-se a uma mudança social, que pode ser o início de uma alteração ao nível do comportamento masculino, para bem dos homens e também de nós mulheres. Cabe-nos a tarefa de estimular essa mudança!
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB