Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A história dos homenzinhos de patins



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Alimentação Júnior: A fruta na merenda escolar
Outubro, 2011
Dra. Solange Burri - Consultora em Alimentação
Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil


[ver mais artigos deste autor]
  Um dos aspectos que exploro frequentemente nos meus artigos é a necessidade absoluta do consumo de fruta crua, a qual deve ser realizada de uma forma contínua ao longo da vida de modo que assegure, sobretudo, a manutenção adequada do sistema imunitário mas dos intestinos também! Por esta razão, é fundamental que os pais, ou outras pessoas a cargo da alimentação, estabeleçam algumas estratégias de ataque, implementadas subtilmente e desde cedo, já que nas idades (3 - 6 anos), na tentativa de se afirmar, a criança Júnior adora campos de batalha!

  Assim, como se organizar para mandar a fruta na merenda escolar, de modo a garantir que a consome sem grandes complicações?

  O estímulo do consumo diário de fruta passa por questões tão simples, de índole prática, como a facilidade para comer a fruta, a necessidade do seu descasque e até se a variedade da fruta em si está de acordo com as preferências da criança...Factos que devem sempre tidos em conta, na correria do dia-a-dia, para assegurar o objectivo principal: que o Júnior coma a fruta enviada na sua merenda escolar.

  Mas um aspecto terá que ser fortemente valorizado para garantir o sucesso deste acto: assegurar o consumo em casa, apoiado diariamente pelo exemplo familiar, para que a criança agora mais selectiva, se sinta à vontade para comer a fruta, quando está só e fora de casa, longe das pressões familiares. O que pode, desfavoravelmente, resultar no consumo de alimentos nutricionalmente menos interessantes...

  Em súmula, apresento então as orientações que considero pertinentes para convencer o consumo de fruta, na escola, nesta faixa etária:

  1º Importante mesmo estimular o consumo diário, lutando assim contra o tempo e assegurar continuamente a compra periódica de fruta e a sua inserção diária na lancheira. Lembre-se: no dia em que falhar E/OU substituir por outro alimento qualquer, estará a promover nova batalha com o Júnior, que deseja afirmar-se e contrariar, sempre que lhe seja possível;

  2º Fundamental enviar fruta que seja atractiva, sensorialmente agradável, e que seja do gosto da criança favorecendo, sempre que possível, a rotatividade que a alimentação exige. Aqui, há pois todo um trabalho de casa, em anos anteriores, que assegurem a apetência da criança por uma gama de frutas o mais variada possível;

  3º Preferencialmente enviar inteira e acondicionada devidamente para que amassadelas ou outros choques físicos, não comprometam o consumo pela criança, agora mais selectiva. Sugiro pois uma caixa dura, resistente e atractiva, pois claro, que nestas coisas o Homem Aranha e a Hello Kitty ganham terreno (passo a publicidade);

  4º Seja fácil e rápida de comer (ex. banana, uvas, gomos inteiros e separados de laranja, ameixas). Tenham apenas o cuidado de mandar não cortada, pois oxida depressa e induz a perda vitamínica é substancial e a qualidade sensorial altamente comprometida;

  5º Mande sempre lavada MAS enxuta. A casca húmida, em paralelo com as temperaturas amenas, promove o desenvolvimento ultra-rápido de bactérias que existem à sua superfície, que não representam risco de gastroenterite, mas aceleram rapidamente o processo de degradação da fruta;

  6º É muito bom que a criança seja habituada a comer a fruta com casca, pois é onde se encontra mais fibra e também maior teor vitamínico. As crianças em idade escolar não apresentam uma exacerbada susceptibilidade aos pesticidas como as crianças que se apresentam nas idades mais precoces. Contudo, estas substâncias químicas, ainda que possam não evidenciar uma reacção imediata no organismo podem acumular-se no fígado, e trazer consequências mais tarde. Por isso aconselho:

     a) Prefira fruta da época: regra de ouro para encontrar fruta com menor teor de pesticidas;
      b) Se possível, adquira fruta da época, de produção biológica;
     c) Compre regularmente, pois o teor nutricional diminui ao longo do tempo de armazenagem;
     d) Vá sempre variando a fruta que envia diariamente.
     e) Tenha o cuidado de não juntar na merenda, juntamente com a fruta, outros alimentos mais aliciantes para a criança e que possam competir, desfavoravelmente, para a peça de fruta enviada ficar "esquecida"...

Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil
www.solangeburri.blogspot.com

[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB