Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A minha mãe está sempre cheia de pressa



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Pais: devem ou não discutir em frente ao filhos?
21-10-2012
Activa
  Ninguém é de ferro e de vez em quando lá salta uma briga, uma discussão, umas palavras mais azedas. Mas quando há crianças a ouvir, convém fazer o possível para chegar a um acordo...

Os nossos avós tinham uma frase clássica: ‘à frente das crianças não’. E este é um conselho que a maioria dos pais tenta seguir ainda hoje. Problema: no calor da discussão, já nem se tem noção de que há alguém ali a ouvir. As discussões parentais são assunto cada vez mais abordado nos fóruns da internet. ‘Os vossos pais discutiam à vossa frente?’, pergunta www.all-for-women.com. Adivinhe lá: pois – 80% das respostas disseram sim. Outros sites vão mais longe e perguntam: e que marcas é que isso deixou? As respostas podem angustiar qualquer pai ou mãe mais dado a lavar roupa suja às claras: sim, as discussões paternas afectaram-nos quando eram crianças. Alguns dizem mesmo que são das piores recordações que guardam. Uma mãe afirma que ainda hoje é incapaz de chegar perto da televisão sem ouvir os pais gritarem por causa do canal…

A importância de fazer as pazes

Claro que há discussões e discussões, crianças e crianças. A propósito do tema, os especialistas em comportamento infantil do site www.iparenting.com aconselham os pais a ter cuidado com o tipo de coisa que discutem à frente das crianças: decisões importantes, como o local de férias ou a compra de um carro, não são para ter na presença dos filhos. Se estão a falar sobre o restaurante onde vão jantar, uma discussãozita não traumatiza ninguém.

Outro factor a ter em conta é a idade da criança: até um bebé é afectado por uma briga. Se tem uma criança de três anos ou menos, cuidado com as palavras: "levam tudo à letra e não percebem que, no calor da batalha, às vezes se dizem coisas sem pensar. Se disser: ‘odeio-te!’, ela vai mesmo pensar que isso é verdade", dizem aqueles especialistas americanos. Quanto aos adolescentes, vão achar que uma briga é uma forma aceitável de resolver problemas numa relação. Isto numa altura em que eles próprios se estão a aventurar por esse caminho, não é o melhor exemplo.

Dito isto, a verdade é que pode ser pior discutir longe das crianças do que à frente delas. "As crianças são muito boas a captar as ondas de mal-estar, e podem imaginar pior do que de facto está a acontecer." Conselho aos pais: discutam, se têm de discutir, mas é importante que as crianças os vejam a fazer as pazes. Enfim, mais fácil de dizer do que de cumprir, mas talvez seja uma boa forma de realizar aquele outro conselho dos nossos avós, que, esse sim, tantas vezes esquecemos: "Nunca vão para a cama zangados."


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB