Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Crianças guardam 14 euros por mês
31-10-2007
Jornal de Negócios
  O estudo realizado pelo BES e APEME indica que as crianças portuguesas têm uma atitude favorável à poupança (...) Temos de concluir que o grau de poupança é satisfatório.

   Poupar é um verbo que as crianças conjugam com facilidade. Sobretudo se o tema de conversa for os recursos naturais ou o dinheiro. Este foi o tópico central de um estudo sobre os hábitos de poupança das crianças portuguesas, elaborado pela APEME para o Banco Espírito Santo. A julgar pelas conclusões, a inversão na queda na taxa de poupança está à distância de uma geração. É que 86% dos petizes entre os 6 e os 13 anos diz poupar dinheiro, muitos para guardar para o futuro.

   O estudo de opinião, intitulado "A formação do sentido de poupança nas crianças portuguesas" começa por tentar averiguar o que estas entendem por poupar. E se a referência mais recorrente é o dinheiro, muitas crianças ligam a palavra à necessidade de conservação dos recursos, com 30% a aludirem à poupança de água e luz. "É importante poupar luz porque se gastarmos a luz toda, ficamos às escuras", afiança uma menina nos seus 6/7 anos. Que é como quem diz, se gastarmos o dinheiro todo...

   Sem questionar o quê, certo é que quase todos poupam – 89% tem o hábito. E também quase todos praticam-no em relação ao dinheiro (86%). O estudo identifica o montante médio que as crianças dizem poupar por mês, que é de 14 euros. Mas também elas, como os pais, gostariam de poupar mais. Em média, os petizes acham que deviam guardar 22 euros por mês.

   E como é que esta poupança compara com o dinheiro que recebem. O estudo incidiu sobre crianças de agregados familiares de classe média e média alta (C1 e B), tendo 51% dos inquiridos afirmado receber mesada ou semanada. Dois terços recebem até 29 euros, enquanto 16% "ganha" mais de 30 euros. O que aponta para uma taxa de poupança razoável.

   "E para que serve a mesada?", pergunta a seguir o trabalho da APEME. A grande maioria diz que é para guardar ou poupar, enquanto 34% gasta-a a comprar coisas que gosta, como brinquedos, 17% usa-a para comida e 11% para material escolar.

   Um resultado que contrasta com a intenção revelada pela maioria, de que o dinheiro que poupa, venha da mesada ou não, é para usar no presente. No global, só 30% apontam objectivos futuros como "ter dinheiro quando for grande", "poupar para quando for preciso" ou "comprar casa ou carro quando for grande".

   Carlos Liz, director-geral da APEME, faz uma avaliação positiva: "O estudo indica que as crianças portuguesas têm uma atitude favorável à poupança", afirma, em declarações ao Jornal de Negócios. O responsável ressalva que o inquérito foi feito a crianças dos 6 aos 13 anos e não inclui os pais, pelo que torna difícil aferir com total objectividade o grau de poupança. Ainda assim, para Carlos Liz, "neste quadro de limitação metodológica, temos que concluir que o grau de poupança é satisfatório".

   Se a larga maioria sabe que um banco serve para guardar dinheiro, a maioria diz não ter conta bancária (65%). O que indica que ainda há terreno a percorrer.

   Mães no principal papel

   "Ficámos a saber que a Poupança é um assunto falado (e praticado) em casa", refere Carlos Liz. E mostra o estudo que esse papel é desempenhado sobretudo pela mãe, o membro do agregado familiar que mais poupa (80%) e que mais deve poupar (66%). "Essa é a primeira condição para que haja um aumento de literacia infantil, já que a família é a primeira e mais poderosa instância de socialização das crianças", acrescenta o responsável da APEME. Mas não chega: "Quando falamos em literacia e pedagogia, temos sempre que convocar um actor fundamental, que é a escola. O tema não parece ser muito ventilado por educadores e professores. Seria muito bom que a poupança, no sentido financeiro, pudesse ser trabalhada nas escolas portuguesas. Seria uma forte ajuda para os pais e para as próprias crianças."

   As instituições de apoio defendem que a formação financeira deste tenra idade é essencial para combater o recurso excessivo ao crédito, assim como os maus hábitos de consumo e de poupança verificados. "Passa tudo por investir na informação e também na formação das mentalidades", sugere Paulo Tomé Calado, do Gabinete de Orientação ao Endividamento dos Consumidores.

Ler noticia completa



<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB