Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



A macieira

[Ler / Descarregar versão pdf]
  Na segunda-feira o céu estava de um azul primaveril e nuvens brancas passavam calmamente no céu.

   No pomar, as árvores erguiam os ramos como se quisessem puxar as nuvens.

   Na terça-feira os ramos tinham rebentos pequeninos.

   Na quarta-feira soprou um vento morno e os rebentos tornaram-se maiores e mais fortes.

   E na quinta-feira? Nesse dia os botões abriram e o pomar ficou todo florido, com as árvores envoltas numa nuvem branca.

   A macieira também floriu. Tinha os ramos retorcidos e inclinados. A casca era áspera e gretada, e a sua nuvem cor-de-rosa.

   A primeira borboleta esvoaçou pelo pomar.

   — O que é isto? — exclamaram as árvores. — Ainda é muito cedo para borboletas! De onde é que esta saiu?

   — De mim! — disse a macieira. — Passou o Inverno comigo, recolhida sob a minha casca.

   As árvores resmungaram.

   — Porque é que deixaste?

   — Bem sabes que elas põem ovos!

   — Bem sabes que dos ovos saem larvas!

   — Bem sabes que as larvas comem as nossas folhas!

   Dois pintarroxos chegaram ao pomar, voando de cá para lá e de lá para cá.

   — Andamos à procura de casa. Queremos fazer um ninho e ter os nossos filhos!

   — Em mim, não! — disse a pereira. — Essa barulheira e esse esvoaçar constante! Essas coisas meio-despidas, de bicos abertos!

   — Em mim, não! — disse a ameixoeira. — Esse barulho a toda a hora! Uma pessoa também precisa de ter o seu descanso!

   — E de estar em ordem! — disse a cerejeira. — Picam as cerejas e sujam as folhas todas!

   Os pintarroxos não sabiam o que fazer. Voavam de cá para lá e de lá para cá.

   — Nem se aproximem de nós! — gritaram as árvores — Vocês só incomodam. Vão fazer o vosso ninho noutro lado qualquer, por favor!

   — Mas onde? — perguntaram os pintarroxos.

   — Nos meus ramos! — disse a macieira.

   Mais tarde, dois pintassilgos chegaram também ao pomar.

   — Andamos à procura de casa. Queremos fazer um ninho e ter os nossos filhos.

   — Aqui, não! — exclamaram as árvores. — Aqui não há lugar.

   — Mas aqui há — disse a macieira. — Venham, cabecinhas vermelhas. Os pintassilgos são tão coloridos e engraçados!

   — Mais engraçados do que nós? — perguntaram duas mejengras, vindas da sebe, a esvoaçar.

   — Tão engraçados como vocês. Fazei os vossos ninhos e ponde os ovos!

   — E os nossos filhos podem fazer barulho?

   — Podem.

   — E os nossos filhos podem sujar as folhas?

   — Podem.

   — Então mudamo-nos já! — disseram os pintassilgos e os pintarroxos e as mejengras.

   As outras árvores indignaram-se.

   — Como é que podes ser tão palerma! — ralhou a pereira.

   — Estás maluca? — perguntou a ameixoeira.

   — Claro que está! — disse a cerejeira. — Quando se cede os ramos a três casais de pássaros, só se pode estar maluco!

   A macieira riu-se.

   — Isto não é para rir! — resmungaram as árvores.

   — Estou a rir porque me fazem cócegas. Alguém anda nas minhas raízes, e é precisamente nas raízes que tenho mais cócegas.

   Uma toupeira espetou o focinho pontiagudo fora da terra.

   — Posso fazer a minha casa aqui em baixo?

   — Podes.

   — E não te incomoda que eu escave túneis?

   — Não me incomoda nada.

   — E que faça uma cova para os meus filhotes?

   — Também não me incomoda. Escava à vontade, minha querida!

   À noite, apareceram no pomar dois arganazes.

   — Andamos à procura de casa. Alguém aqui tem um ramo livre?

   — Nós, não! — gritaram as árvores.

   — Mas eu, sim! — disse a macieira. — Quantos filhotes ides ter?

   — Seis ou sete. Tanto faz — responderam os arganazes. — Nós comemos folhas, bagas, vermes e caracóis. Tanto faz.

   — E, de vez em quando, um passarito! — disseram dois ouriços-cacheiros que moravam do outro lado, por baixo da sebe, e que naquele momento passeavam por ali.

   A macieira acordou os pássaros.

   — Ouvi com atenção, passarinhos! Temos inquilinos novos na casa! Prestai muita atenção aos vossos ovos, perceberam?

   E aos arganazes disse:

   — Ouvi com atenção, arganazes! Não gosto nada que roubem ovos. Aqui, ninguém pode fazer mal aos outros, se não, vai logo embora. Entenderam?

   Chegou o Verão.

   Nos ramos havia cerejas verdes e ameixas verdes. Peras verdes e maçãs verdes.

   Nos ninhos havia ovos pintalgados. As mamãs-pássaros mantinham os ovos quentes. Os papás-pássaros voavam de cá para lá e de lá para cá, e traziam comida para as mães.

   A macieira regozijava-se com os ovos. Regozijava-se com os filhotes das toupeiras entre as suas raízes. Regozijava-se com os sete pequenos arganazes no buraco do seu ramo. Ficava contente de cada vez que tinha visitas.

   — Aqui há animação! — dizia o picanço, batendo com o bico na casca.

   — Isto aqui agrada-me! — dizia o pica-pau.

   — Gostava de morar nos teus ramos — dizia o verdelhão.

   No buraco do ramo mais alto, dois estorninhos tinham feito o ninho. De manhã assobiavam, à noite tocavam flauta, e cantavam o dia inteiro.

   — Fico feliz quando vocês cantam! — dizia a macieira. — Como estão os vossos ovos?

   — Daqui a pouco, estão prontos.

   Dos ovos saíram estorninhos-bebés. Meio despidos, abriam os bicos, piavam e faziam barulho.

   — Ora aqui está! — resmungava a pereira.

   — Que barulheira! — resmungava a ameixoeira.

   — Isto não se aguenta! — resmungava a cerejeira.

   Em todos os ninhos, havia passarinhos sem penas. Abriam os bicos, piavam e faziam barulho. A macieira estava contente com tantos passarinhos. E quando lhes nasceram as penas e aprenderam a voar, ficou ainda mais contente.

   Só não gostava nada quando os passarinhos começavam a discutir uns com os outros.

   — Este ramo é nosso! — assobiavam os pequenos estorninhos, que queriam enxotar os outros.

   — Não, é nosso! — chilreavam os pintassilgos novinhos.

   — Nós estávamos aqui primeiro! — trinavam os pintarroxos.

   — Mas nós somos maiores! — assobiavam os pequenos estorninhos.

   — Vocês são maus! — piavam as mejengrinhas.

   — Silêncio — gritou a macieira. — Querem calar os bicos? Não gosto de discussões. Há ramos que cheguem, e aqui há lugar para todos. Perceberam?

   Os passarinhos acotovelavam-se e empurravam-se. Disputavam os ramos entre si e discutiam. Piavam e batiam as asas. E quando, por fim, iam dormir, era a vez dos animais noctívagos acordarem. As toupeiras saíam da terra, cada uma do seu monte. Os ouriços-cacheiros saíam da sebe, levavam os seus pequenos a passear e mostravam-lhes o mundo. Os arganazes trepavam pelos ramos com os seus filhotes. Cabeça para cima, cabeça para baixo – para cima e para baixo.

   — Chiu! Mais devagar! — dizia a macieira. — Vocês comportam-se como se estivessem sozinhos em casa!

   Os sete pequenos arganazes não lhe davam ouvidos e continuavam com os seus disparates. Corriam de um lado para o outro, faziam ginástica subindo e descendo.

   — Chiu! Menos barulho! — dizia a macieira — Vocês acordam-me os pássaros, meninos!

   As ameixas ficaram roxas. As peras amarelas. As maçãs vermelhas.

   — Que bom! Já todos os passarinhos sabem voar! — dizia a macieira. — Daqui a pouco alguns terão de ir embora.

   — Nós — assobiavam os estorninhos — vamos para o sul.

   — Nós também — chilreavam os pintassilgos. — Vamos atravessar o mar.

   — Nós voamos na próxima semana! — assobiavam os estorninhos.

   — Boa viagem! — dizia a macieira

   Durante a noite o tempo começara a arrefecer. As folhas tornaram-se coloridas e caíam ao chão.

   — É tempo de hibernar — disse a macieira.

   Os arganazes taparam a cara com as caudas e enrolaram-se. Os ouriços-cacheiros juntaram folhas murchas e almofadaram os seus ninhos. As toupeiras escavaram mais fundo.

   — Boa noite! — disse a macieira.

   Começou a nevar. O vento de Inverno passou pelo pomar e arrancou as últimas folhas. Nos arbustos havia sincelo.

   — Tenho frio — queixava-se a pereira.

   — Tenho frio e sinto-me sozinha! — queixava-se a ameixoeira.

   — Tenho frio, sinto-me só e estou aborrecida! — queixava-se a cerejeira.

   Os seus ramos rangiam e suspiravam ao vento.

   A macieira não se sentia aborrecida. E também não estava só. Sonhava com ninhos de passarinhos e com ovos a abrir. Sonhava com asas e pios nos seus ramos.

   Também não tinha frio. No buraco do tronco havia sete arganazes aconchegadinhos, que às vezes se mexiam durante o sono. E então um pêlo quentinho acariciava-a e uma cauda espessa fazia-lhe cócegas.

   E a árvore ria-se para dentro.

Mira Lobe
Der Apfelbaum
Wien, Jugend und Volk, 1980
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB