Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O menino que voltou a sorrir



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Alergias e Intolerâncias alimentares: as diferenças
Junho, 2012
Teresa Rodrigues© PASSE – Programa Alimentação Saudável em Saúde Escolar

[ver mais artigos deste autor]
  1. Alergias

  Reacção imune de hipersensibilidade, ou seja, uma resposta imunológica excessiva e inapropriada a uma determinada substância, designada alergéneo.

  2. A alergia e a intolerância alimentar – as diferenças

  Apresentam sintomatologia semelhante, no entanto são biologicamente diferentes, pois tratam-se de formas diferentes de hipersensibilidade alimentar, traduzindo-se a primeira numa resposta imune e a segunda numa reacção adversa.

  3. Quais os alergéneos mais comuns?

  Ácaros, fungos, parasitas, insectos, pó doméstico, pólen, alguns medicamentos e alimentos.



  4. Alergia Alimentar

  A alergia alimentar consiste na resposta do sistema imunitário a um determinado alimento, ao qual reage como sendo uma ameaça externa que deve combater. A reacção aparece, normalmente, na segunda vez que o alimento é ingerido.
  A reacção alérgica pode ser desencadeada apenas com o toque ou cheiro do alimento alergéneo, pelo que é muito importante evitar qualquer tipo de contacto, ainda que indirecto. Alem disso, o mesmo alimento pode provocar sintomas diferentes em pessoas diferentes ou até na mesma pessoa.

  5. Intolerâncias Alimentares

  A intolerância alimentar é o resultado da dificuldade do organismo na digestão ou assimilação de determinado alimento. Surge quando o organismo tem dificuldade em digerir ou "processar" correctamente o alimento ou ingrediente ingerido, não existindo participação imunológica, ou seja, não envolvendo anticorpos.
  Neste caso, a reacção surge devido a uma deficiência enzimática (como por exemplo,. a intolerância à lactose por défice de lactase) ou devido a contaminantes dos alimentos (por ex. bactérias, ou substâncias tóxicas), sendo os sintomas imediatos, logo após a primeira ingestão.

  6. Alergias alimentares mais comuns em crianças:

  - Leite de vaca (proteína do leite de vaca)
  - Soja
  - Ovo
  - Frutos secos (os mais comuns são as nozes e os amendoins)
  - Trigo
  - Peixe
  - Marisco
  - Morangos
  - Mais raramente, os corantes e conservantes podem provocar reacções alérgicas em crianças.

  7. Intolerâncias alimentares mais frequentes:

  - Leite (lactose)
  - Glúten
  - Aditivos (glutamato de sódio, tartrazina, sulfitos, metabissulfitos e benzoatos)
  - Compostos naturais (cafeína, ácido acetilsalicílico)

  8. Cuidados a ter em caso de alergia ou intolerância alimentar:

  - Conhecer bem as substâncias a que o aluno é intolerante ou alérgico para saber detectar quando aparecem, ainda que dissimuladas, na alimentação (atenção à rotulagem e às preparações culinárias);

  - Evitar dar ao aluno o alimento ou ingrediente que causa alergia ou intolerância;

  - Ler muito bem os rótulos de composição dos alimentos, evitando o consumo inadvertido da substância em causa;

  - Ter em atenção a utilização de determinados utensílios que possam ter estado em contacto com o alergéneo (por exemplo, a faca do queijo não deve ser utilizada para cortar fiambre e vice-versa);

  - Informar-se dos ingredientes com que a refeição foi feita, tenha sido preparada na escola ou serviço de catering;

  - Quando os pais ou aluno informam a Escola desta situação, deve-se propor que a família ou o aluno informem também os familiares, amigos, colegas e encarregados de educação destes;

  - A escola deve informar a empresa concessionada para o serviço de alimentação e os manipuladores de alimentos da Escola;

  - Deve-se estar preparado para situações de emergência, principalmente em situações de choque anafiláctico;

  - Procurar orientação médica e nutricional.

  Conhecer para prevenir!
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB