Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Um gato debaixo do pinheiro de Natal



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Crianças portuguesas usam pouco a Internet, mas correm alguns riscos
24-09-2011
TSF
  As crianças portuguesas fazem pouco uso da Internet, mas quando a ela recorrem expõem-se a algum risco, concluiu um relatório da Comissão Europeia.

O documento, que foi apresentado esta sexta-feira em Londres, reuniu mais de 25 mil entrevistas a jovens e respectivos pais por toda a Europa e mostra que Portugal está longe de ser um país em que a Internet seja uma ameaça para os mais novos.

No relatório fica claro que Portugal é um dos países da União Europeia em que as crianças menos recorrem à Internet, apesar de os conteúdos aos quais acedem envolverem algum risco.

Um dos riscos apontados é o acesso a imagens sexuais. Nessa matéria, no conjunto do 25 países analisados, Portugal aparece com 13 por cento das suas crianças e jovens com idades entre os nove e os 16 anos a terem visto este tipo de imagens em sites e 15 por cento a terem visto ou recebido imagens de sexo.

Este relatório distribui os 25 países europeus em três categorias: a de baixo uso e baixo risco, a de baixo uso e algum risco - na qual ficou Portugal, Espanha, Turquia e Irlanda - e elevado uso e elevado risco.

Neste último grupo ficaram incluídos os países nórdicos e da Europa de Leste, mas também eles com algumas diferenças. A exposição das crianças nórdicas a conteúdos sexuais é maior do que as do sul da Europa e em países maioritariamente católicos.

Entre as crianças que viram conteúdos sexuais, 40 por cento dos pais desconheciam esse facto e entre as que já tinham recebido imagens sexuais 52 por cento dos pais desconheciam. O desconhecimento é mais comum entre os pais de raparigas ou crianças mais novas.

Este estudo sobre crianças online é um projecto de investigação feito, no ano passado, no âmbito do Programa Internet Segura da Comissão Europeia.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB