Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A Lição da Paciência



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Crianças portuguesas usam pouco a Internet, mas correm alguns riscos
24-09-2011
TSF
  As crianças portuguesas fazem pouco uso da Internet, mas quando a ela recorrem expõem-se a algum risco, concluiu um relatório da Comissão Europeia.

O documento, que foi apresentado esta sexta-feira em Londres, reuniu mais de 25 mil entrevistas a jovens e respectivos pais por toda a Europa e mostra que Portugal está longe de ser um país em que a Internet seja uma ameaça para os mais novos.

No relatório fica claro que Portugal é um dos países da União Europeia em que as crianças menos recorrem à Internet, apesar de os conteúdos aos quais acedem envolverem algum risco.

Um dos riscos apontados é o acesso a imagens sexuais. Nessa matéria, no conjunto do 25 países analisados, Portugal aparece com 13 por cento das suas crianças e jovens com idades entre os nove e os 16 anos a terem visto este tipo de imagens em sites e 15 por cento a terem visto ou recebido imagens de sexo.

Este relatório distribui os 25 países europeus em três categorias: a de baixo uso e baixo risco, a de baixo uso e algum risco - na qual ficou Portugal, Espanha, Turquia e Irlanda - e elevado uso e elevado risco.

Neste último grupo ficaram incluídos os países nórdicos e da Europa de Leste, mas também eles com algumas diferenças. A exposição das crianças nórdicas a conteúdos sexuais é maior do que as do sul da Europa e em países maioritariamente católicos.

Entre as crianças que viram conteúdos sexuais, 40 por cento dos pais desconheciam esse facto e entre as que já tinham recebido imagens sexuais 52 por cento dos pais desconheciam. O desconhecimento é mais comum entre os pais de raparigas ou crianças mais novas.

Este estudo sobre crianças online é um projecto de investigação feito, no ano passado, no âmbito do Programa Internet Segura da Comissão Europeia.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB