Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Obesidade já afecta 12% das crianças
10-04-2011
Económico
  Pediatras alertam para o crescente problema do excesso de peso. Pais têm de ser os primeiros a dar o exemplo.

A saúde materna e infantil tem sido uma das áreas da saúde que mais tem progredido em Portugal. Com a forte queda da taxa mortalidade infantil, Portugal é um dos melhores do mundo, situando-se à frente de países como a Inglaterra, Estados Unidos, Austrália, Dinamarca, Suíça, entre outros.

"A maior conquista foi, sem dúvida, a redução drástica da taxa de mortalidade infantil", afirma o pediatra Paulo Oom. Uma taxa que "representa a probabilidade de uma criança com menos de cinco anos morrer por cada 1.000 bebés recém-nascidos." Este especialista lembra os números anteriores: em 1960 era de 109,2 e em 2009 de 3,7.

Também o pediatra Mário Cordeiro subscreve a mesma ideia. "Nos últimos anos houve grandes avanços a nível do bem-estar dos grupos etários pediátricos, com uma enorme baixa da mortalidade perinatal, infantil (1º ano de vida) e também nos outros grupos etários (crianças e adolescentes), diz.

Para este bom desempenho contribuíram factores como a criação de boas condições nas maternidades, do plano de vacinação adequado e ainda do "empenho de muitos profissionais de saúde, não só pediatras mas também médicos de medicina geral e familiar e enfermeiras", lembra Paulo Oom. A vacinação veio, por exemplo, combater as meningites, que contribuíam para a mortalidade infantil, salienta Mário Cordeiro.

E destaca ainda a "baixa das mortes ocasionadas por acidentes." E ainda a progressiva escolarização e uma maior acessibilidade à cultura e ao desporto por parte de crianças e adolescentes como aspectos que contribuem para o bem-estar.

Obesidade não é tendência. É realidade. O exemplo vem de cima. É frase feita mas não podia estar mais actual. Não há criança que possa ter uma alimentação saudável se os pais - ou educadores - não a puserem em prática. "Culpam-se as cadeias de fast-food, mas o pior é quando a casa de cada um é, ela própria, o pior que esse tipo de comida pode ter", diz Mário Cordeiro.

"A obesidade afecta hoje mais de 12% das crianças entre os dois e os cinco anos e o excesso de peso (categoria anterior à de obeso) está presente em mais de 30% dos jovens portugueses e em 50% da população", revela Paulo Oom. Este é um tema que já é uma realidade e que só pode aumentar, caso não se tomem medidas drásticas agora.

Mário Cordeiro elogia o plano de alimentação das escolas públicas, desenvolvido por nutricionistas, mas critica os hábitos alimentares diários em casa dos portugueses. Há "excesso de gordura animal (da carne e do leite) de fritos, calorias, ausência de legumes, excesso de refrigerantes e colas e pouca água, muitas bolachas mas pouco pequeno almoço... enfim erros que conduzem à obesidade e a outros problemas do estômago e cólon e do corpo em geral." Este especialista reforça a ideia que o excesso de proteínas animais conduzem a problemas renais em idades precoces, além dos problemas cardiovasculares das gorduras da carne e dos fritos ou a diabetes.

E se, a acrescentar a uma dieta desequilibrada, se juntar um estilo de vida sedentário e a tendência familiar, tudo se complica ainda mais. "De nada serve dizer a pais obesos que o filho é obeso e que precisa de alterar a sua alimentação e estilo de vida se os pais não estiverem dispostos a o fazer também."

A prevenção dos acidentes, segundo Mário Cordeiro, "continua a ficam aquém do desejável, porque falta interiorizar uma cultura de segurança." Mas há um conjunto de outras preocupações quando se fala em saúde infantil: divórcios, famílias reconstituídas, mudança de escola ou de local de residência e respectivo desenraizamento, carências em alguns sectores da sociedade, o lidar com as novas tecnologias com bom-senso, como sublinha o mesmo especialista. Sem esquecer "o excesso de bens contrastando com ausência de regras, limites e empatia, que fazem de mutas crianças pequenos ditadores, narcísicos e omnipotentes que darão, no futuro, pessoas infelizes que farão os outros à sua volta, infelizes também", explica Mário Cordeiro.

Já Paulo Oom debate-se diariamente com o problema da insegurança de muitos pais sobre a forma de educar os seus filhos. Independentemente do que a motiva, a insegurança é assunto de conversa em muitas consultas de pediatra, garante o especialista. "Os pais devem ser ajudados nesta área, sob pena de estarmos a criar uma geração completamente impreparada para lidar com as adversidades que a vida lhes vai colocar à frente", diz.

Dia Mundial da Saúde

João Francisco ALves - 5 anos, Pré-escolar

O João ainda não anda na primária mas já tem grandes certezas, como a certeza que os donuts "não fazem bem mas eu gosto muito." E diz isto enquanto dá grandes dentadas no donut do lanche. Mas também sabe enumerar uma lista de alimentos saudáveis. Fala da alface e da cenoura. E do pesadelo chamado couve-flor. "Eu odeio couve-flor porque a couve-flor tem uma coisa branca lá dentro e eu não gosto", explica. Diz que come sopa todos os dias e que "as preferidas são de cenoura e canja." Para ele, alimentação saudável é comer alimentos saudáveis que "são bons para crescer e ficar fortes, senão o cerébro fica maluco e não consegue pensar." Quanto ao que os pais lhe chamam mais à atenção em casa para comer, João responde "às vezes couve-flor." E porque a tentação é grande desde pequenino, "podes pôr um intervalo para eu ver se há pastilhas?"

Inês Cruz - 13 anos, 1º ano do 2º Ciclo

Diz que não gosta de chocolate. "Não me faz falta nenhuma." Inês Cruz ainda na semana passada ouviu falar na sala de aula de alimentação saúdavel. É uma matéria que aprendeu bem. "Para mim ser saudável é uma pessoa que se preocupa com o seu bem-estar, com o seu corpo, que come bem e pratica desporto diariamente", afirma. De si, diz que é "magra" e que faz educação física e voleibol (actividade extra-curricular) duas vezes por semana. Considera que tem uma alimentação saudável e diz que a sua comida preferida é "picanha - mas não como a gordura - com batata cozida e muita salada. Adoro alface." A caminho dos 14 anos, Inês Cruz tem bem presente que não deve abusar das batatas fritas que tanto adora e deixa um conselho aos mais pequenos: "Obedeçam aos pais e comam comidas mais simples."

Hugo Fonseca Rosa Nunes - 8 anos, frequenta o 3 º ano do 1º Ciclo

Hugo come sopa todos os dias e gosta muito, "principalmente as da avó". Aos oito anos já tem noção do que faz bem e está atento aos conselhos que os pais lhe dão. À pergunta o que é uma alimentação saudável não hesita em responder "comer vegetais e coisas que façam bem à saúde", sem esquecer a fruta e o leite. Isto "para termos saúde, sermos fortes e espertos". Sobre o que faz mal à saúde aponta o dedo "às batatas-fritas em excesso, hambúrgueres, carne em geral e alimentos com muito sal". Hugo acha que é um menino normal e que não é gordo. O que mais gosta de comer é "Nestum de manhã e pão com manteiga e leite simples, à tarde." Torce o nariz ao queijo, ao leite com chocolate, ao chocolate e às vezes à cenoura. Às outras crianças deixa o conselho para comerem "vegetais, fruta e sopa. O que a vossa mãe vos diz para poderem ser saudáveis."

Ema cardoso - 6 anos, frequenta o 1º ano do 1º ciclo

"Coisas verdes" não são com ela. Salada nem vê-la, a sopa come-a porque a avó lhe dá na boca. Ema Cardoso, 6 anos, gosta, isso sim, de gomas, chocolates e pastilhas. São os seus "alimentos" preferidos, e pede-os até quando tem fome. Apesar de saber que fazem mal... Na escola, demora muito a acabar qualquer que seja a refeição mas em casa a persistência da família em lhe dar o melhor para comer - sopa, fruta e vegetais todos os dias - tem resultado. Até agora, tem sido uma criança saudável. E apesar das gomas, é bastante magra. Razões para que tal aconteça? A genética ajuda bastante (os pais são ambos magros). A "genica" também (Ema não consegue estar parada). E o desporto que faz quatro vezes por semana (duas vezes judo e duas vezes ballet) ajudará a gastar as calorias das pastilhas que, às escondidas, vai consumindo.

Guilherme carvalho - 12 anos, frequenta o 7º ano

"Comer todos os alimentos mas não em excesso, respeitar a roda dos alimentos e comer muita fruta, legumes e sopa." É assim que Guilherme Carvalho descreve uma alimentação saudável. Os pais são exigentes com a alimentação e Guilherme admite que "comer sopa todos os dias em casa é obrigatório", daí que confesse que "por opção, nem sempre come sopa na escola." Garante que sabe o que faz mal à saúde: "comida de plástico, pizzas e refrigerantes" e que o que mais gosta de comer: "cenoura, couve-flor e bróculos, faz bem à saúde", tal como as suas frutas preferidas "banana, papaia, maçã e melão". Guilherme pratica rugby e sabe que isso o ajuda "a eliminar gorduras e a evitar ser gordo". De comida saudável, não hesita em dizer que é necessário "para termos uma vida mais longa, não sermos obesos e não termos doenças".


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB