Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A avó e o S.Nicolau



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Coimbra vai ter Banco da Maternidade e da Criança
01-03-2011
Rádio Renascença
  Bens doados ajudarão cerca de mil pessoas apoiadas pela ADAV.

A partir da próxima sexta-feira Coimbra vai passar a contar com um Banco da Maternidade e da Criança.

A iniciativa parte da Associação de Defesa e Apoio à Vida (ADAV), que desenvolve um trabalho de apoio a grávidas e jovens mães em dificuldades há cerca de uma década na região centro.

Trata-se de um equipamento inspirado no Banco Alimentar contra a Fome, e que vai fazer chegar às instituições em dificuldade bens essenciais à maternidade, diz Ana Maria Ramalheira. "Estamos a falar de fraldas, leites, papas, artigos de higiene, carrinhos, chupetas, biberons… Todos os bens necessários para o bem-estar de uma grávida e de um bebé."

No terreno há vários anos, a ajudar mulheres e famílias a optar pela vida mesmo nas situações mais complicadas, a ADAV os bens que este banco dispensa não terão falta de destinatários: "Estamos a apoiar cerca de 400 mulheres, entre grávidas, grávidas adolescentes e puérperas, e ainda cerca de 500 crianças, e os números não param de aumentar. Penso que nesta fase de constrangimentos financeiros, em que o desemprego tem as proporções que conhecemos, este é um equipamento muito importante", explica Ana Maria Ramalheira.

Um projecto que tem à partida o problema da sua própria sobrevivência, diz a presidente desta associação. Só a renda do espaço são 500 euros mensais.

"Temos possibilidade de aguentar os projectos nos próximos cinco meses, preciso de os aproveitar bem para arranjar apoios para dar continuidade. Precisava de 600 euros, incluindo 100 euros para os custos correntes. Isso seria o ideal, embora já me contentasse com os 500", confessa a dirigente da ADAV.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB