Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O Menino-Golfinho



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Plano de formação para candidatos à adopção
02-06-2009
Público
Plano de formação para candidatos à adopção pretende evitar devolução de crianças.

Todos os anos são "devolvidas" às instituições de acolhimento cerca de 20 crianças. São menores de 15 anos, que já ficaram sem a família biológica, foram adoptados... mas a adopção falhou. Evitar casos destes é um dos objectivos do Plano de Formação para a Adopção ontem apresentado em Lisboa.

O plano resulta de uma parceria entre o Instituto de Segurança Social (ISS) e investigadores da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (FPCE) da Universidade do Porto e começará a ser aplicado nos próximos meses, diz Isabel Pastor, chefe de sector para a adopção do ISS. Na prática, obrigará os candidatos a pais (actualmente existem 2400) a frequentar até cerca de uma dezena de sessões de grupo, com à volta de três horas cada.

Isabel Pastor nota que a actual taxa de insucesso na adopção ("três ou quatro por cento") é baixa face ao número de adopções decretadas. E que tudo indica que este ano até haverá "uma redução deste número". Ainda assim, há muito que tinha sido identificada a necessidade de capacitar mais quem adopta. Há, neste momento, 618 meninos em fase de pré-adopção (já integrados em famílias) e cerca de 550 à espera de candidatos.

Como se ensina a receber uma criança que passou muito da sua vida numa instituição de acolhimento? Explicando, por exemplo, que é comum que, numa primeira fase, estes meninos não queiram ser abraçados ou beijados, que isso não significa que a vinculação esteja a falhar, que "há formas de ultrapassar" estes problemas, diz Pastor.

O plano prevê que a formação comece logo no início do processo. Quem entregar a sua candidatura à adopção e cumprir os requisitos legais será chamado para uma primeira sessão de cerca de 3,5 horas na qual receberá informação sobre as características das crianças adoptáveis, "as necessidades especiais que podem revelar tendo em conta um passado que têm - que pode ser de abandono, de negligência". Até agora, essas informações eram prestadas numa entrevista informativa que não obedecia a procedimentos uniformes.

Depois, os candidatos serão sucessivamente chamados para novos módulos - a formação mais intensiva (cinco sessões) acontece enquanto esperam que uma criança lhes seja entregue, mas continua na fase de pré-adopção.

À FPCE cabe acompanhar o plano e formar os técnicos das equipas de adopção do ISS.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB