Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Governo não altera a Lei da adopção
06-04-2009
DN
  Deputados discutem dia 15 a criação do Dia Nacional da Adopção de Crianças. Discutem-se alterações à legislação para agilizar os processos, sobretudo no estrangeiro.

   O Governo não admite revisões à lei da adopção por o diploma ser recente e estar em fase de implementação, disse ao DN Idália Moniz, secretária de Estado-Adjunta e da Reabilitação. Isto reagindo à possibilidade de o Bloco de Esquerda (BE) apresentar na próxima legislatura alterações à lei. E de até a Comissão de Acompanhamento do diploma propor mudanças na adopção internacional.

   Para já, os bloquistas apoiam a petição, a discutir no Parlamento no dia 15, para criar Dia Nacional da Adopção de Crianças, 10 de Maio. A petição é uma iniciativa da Bem Me Queres -Associação de Apoio à Adopção de Crianças e conta com quase cinco mil subscritores. Os proponentes consideram que as alterações legislativas não levaram a um aumento significativo do número de adopções, dados a existência de constrangimentos que impedem que os processos sejam mais eficazes.

   "É importante promover a consciencialização da sociedade para o facto de crianças que estão a crescer sem família estão a ser privadas daquilo que de mais importante existe para a sua formação, desenvolvimento e crescimento - o afecto, os laços, a conquista de um colo", justificam os promotores da iniciativa.

   Cabe ao deputado bloquista Luís Fazenda fazer a apresentação da proposta de um dia nacional para que seja promovido o debate, pelo menos uma vez por ano, dos problemas para adoptar uma criança em Portugal. "A questão principal é a unificação de procedimentos ao nível dos vários distritos e um real funcionamento da lista nacional"; alega o deputado. Entende que a lei 31/2003, de 22 de Agosto, não teve os efeitos pretendidos e refere que o BE pensa apresentar propostas de alteração na próxima legislatura.

   Uma posição que não terá o apoio da actual bancada que suporta o Governo, o PS. A governante com a tutela a segurança social considera que é muito cedo para o fazer, sublinhando que a "lei está a ser aplicada e que, hoje, os processos são mais céleres".

   A culpa do diploma não ter tanto sucesso, contrapõe, está do lado dos candidatos e não das leis ou das crianças institucionalizadas. "O problema são as crianças que estão para a adopção e que ninguém quer, crianças com mais de três anos, de cor, com deficiências e que têm irmãos. Porque, se fizermos um estudo do tempo que demoram para adopção daqueles candidatos cuja lista de preferência é mais alargada, verificamos que é cada vez mais reduzido", sublinha Idália Moniz.

   Não é esse o entendimento dos proponentes da petição lançada em Outubro, a que se juntou a associação Meninos do Mundo. Querem sensibilizar a população para o fosso entre as crianças institucionalizadas e as adoptadas.

   Uma das situações denunciadas é a dificilmente em adoptar um menor fora do distrito onde este reside, por falta de meios das comissões locais para o acompanhar.

   Luís Villas-Boas presidiu à Comissão Interdisciplinar responsável pelas alterações legislativa actual e, também, à Comissão da Acompanhamento da lei, entre 2003 e 2005, ano em que o PS foi para o governo e pôs fim ao grupo. E considera que o trabalho não ficou concluído. "A adopção nacional foi actualizada e agilizada, mas falta alterar as regras da adopção internacional", defende.

   O director do Refúgio Aboim Ascensão, de acolhimento de crianças, entende que a adopção internacional poderia ser uma solução para os muitos candidatos a pais que, "já nem se candidatam", mas também para as crianças portuguesas que não encontram candidatos em Portugal".

   Apenas seguiram para o estrangeiro quatro menores em 2008 e sete em 2007. E dá o exemplo de Espanha, em que são adoptadas uma média de cinco mil crianças estrangeiras por ano.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB