Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A Árvore Inútil



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Levar tradição às crianças
29-07-2008
JN
  Plano Nacional de Leitura inclui 12 obras de literatura infantil dedicadas a divulgar a cultura transmontana.

   Será possível ensinar a cultura, a memória e as tradições transmontanas através de livros infantis? É. Pelo menos, o Plano Nacional de Leitura já integra 12 livros do género, escritos pelo investigador Alexandre Parafita.

   Segundo aquele professor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, os livros proporcionam aos mais novos residentes em qualquer zona do país a possibilidade de "descobrir ou redescobrir a identidade do povo transmontano". Como? "Através de gigantes diabólicos que construíram pontes e calçadas, mouros que arrasaram montanhas e desviaram rios, fadas que distribuíram grandes tesouros, trasgos e olharapos que aterrorizaram moleiros e pastores".

   Os caretos fazem parte das mitologias de Inverno de Trás-os-Montes e Alto Douro.

   Entre a dúzia de obras, o autor destaca, por exemplo, o livro "Diabos, diabitos e outros mafarricos". Através dele, é possível descobrir que existiu uma "raça de pequenos duendes", que eram conhecidos por "trasgos". São personagens habituais em lendas de moinhos, castros e ruínas de aldeias abandonadas de Trás-os-Montes.

   A ponte de Abreiro, no concelho de Mirandela, tem uma história associada à sua construção, que ficou conhecida como "o mito do diabo, a menina e a ponte". Conta como uma criança conseguiu enganar o diabo e o convenceu a construir uma ponte sobre o rio Tua, ainda que seja imperfeita.

   Uma vez no Plano Nacional de Leitura, desde a adopção de um dos livros pela escola até à sua dramatização e/ou teatralização vai um pequeno passo. Ora, a brincar a brincar, a mensagem vai passando entre as crianças e destas para a família.

   As paisagens do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial aparecem e convidam entre as páginas de "Memórias de um cavalinho de pau", que cavalga por entre os coloridos vinhedos que dão o generoso e que custaram tanto a tornear pelos nossos antepassados.

   A qualidade do azeite produzido em Trás-os-Montes, bem como das amêndoas do Douro, passam, como mensagem publicitária, através de outras lendas vertidas sobre os demais livros.

   Conta-se o ciclo do linho por meio dos contos populares recolhidos pelo escritor e desvendam--se os segredos dos pastores gaiteiros das serras transmontanas. Tal como descreve os rituais das bruxas nos meios rurais e dá voz aos animais para ensinar os cuidados a ter em defesa da natureza. Alexandre Parafita não tem dúvidas de que é possível, através da literatura infantil, fomentar "a educação para a identidade e memória". Por outro lado, reforça, "ajuda os mais novos a sentirem--se protegidos pela matriz das suas raízes, aprendendo a respeitá-las". Ora, numa altura em que existe grande preocupação entre alguns sectores culturais pela eventual perda das memórias e tradições das gerações mais velhas, Alexandre Parafita frisa que as crianças, desde que devidamente preparadas para tal, poderão ser "os guardiões da sua identidade". E dada a temática, opina mesmo que este pode ser um meio para "estimular o gosto pela leitura e combater os níveis de iliteracia no país".


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB