Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O pedreiro descontente



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Nova classificação afasta crianças de escola inclusiva
24-06-2008
Renascença
  A escola inclusiva, que começa a funcionar a partir de Setembro, exclui alguns alunos com necessidades educativas especiais, como é o caso dos que sofrem de neurofibromatose.

   O projecto do Governo pretende fazer com que alunos com necessidades especiais passem, a partir do próximo ano lectivo, a estudar no ensino regular.

   Para saber quais são as crianças que vão precisar de um apoio mais específico, o executivo passa a usar a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF). O documento, consideram alguns críticos, deixa alunos com necessidades educativas especiais de fora, como é o caso das crianças com neurofibromatose (NF).

   Esta é uma doença genética que se manifesta através de pequenos nódulos que crescem em diversas partes do corpo e que podem afectar o funcionamento de alguns órgãos.

   As crianças com NF têm características que se podem traduzir em necessidades educativas especiais como "a dislexia, o défice de atenção, o défice de concentração", explica Lúcia Lemos, presidente da Associação Portuguesa de Neurofibromatose (APNF), referindo ainda que podem "ter problemas oftalmológicos, problemas ortopédicos, problemas de auto-estima se tiverem deformações visíveis".

   Características que fazem destas crianças, sublinha Lúcia Lemos, "crianças especiais".

   "A nova tabela CIF sinaliza as crianças com base em doenças e não com base em consequências de uma doença. E aí está o problema", considera.

   Segundo a Classificação Internacional de Funcionalidade, as crianças com NF deixam de ter apoio, algo que vai dificultar a vida dos pais, o trabalho dos professores e a evolução da própria turma, acrescenta a especialista.

   "Se a lei não vai permitir que, pelos sintomas, se englobem estas crianças, elas vão ficar numa situação complicada, porque a escola não pode dar resposta aos pedidos dos pais, uma vez que a lei não permite", esclarece Lúcia Lemos, que afirma também temer pelo futuro das crianças com esta doença.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB