Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Cidades inimigas das crianças
18-11-2007
Portugal Diário
  Cada vez se vêem menos crianças nas cidades porque os espaços citadinos não são construídos a pensar nelas, afirma Elsa Rocha, pediatra no Hospital de Faro e membro da Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI), refere a Lusa.

   Em vésperas do Dia Universal das Crianças, instituído pelas Nações Unidas em 1954, a médica afirma que "as cidades não são mesmo feitas a pensar nas crianças e por isso cada vez se vêem menos".

   Os espaços permitidos a crianças são diminutos, porque tudo é considerado perigoso, sublinha.

   Apesar da protecção e existência de ambientes seguros para viver e brincar serem direitos fundamentais da criança, os jardins-de-infância, as escolas ou parques infantis rodeados de grades são o que resta dentro das cidades para os mais novos brincarem, alerta.

   Este ano já morreram oito crianças afogadas e 11 atropeladas, e pelo menos 11 caíram de edifícios, pelo que o Governo tem de tomar medidas urgentes, alerta a APSI.

   A Associação para a Promoção da Segurança Infantil vai, por isso, pedir terça-feira ao Governo a adopção de medidas para reduzir a mortalidade infantil e as incapacidades provocadas por acidentes às crianças.

   Segundo a APSI, 75 por cento dos acidentes [com crianças] podem ser evitados.


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB