Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os três irmãos e o pote com ouro



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



A ferradura

[Ler / Descarregar versão pdf]
  Era uma vez uma velha ferradura.

   Um senhor encontrou-a, levantou-a do chão e meteu-a no bolso do sobretudo.

   — É para dar sorte — disse o senhor de si para si, muito convencido do que dizia.

   Quando chegou a casa e a mulher foi pendurar o sobretudo no cabide é que foram elas.

   — Tens o sobretudo tão pesado, homem — intrigou-se ela.

   O senhor explicou o porquê:

   — É para dar sorte.

   — Se dá sorte, não sei — repontou a ela. — O que sei é que o peso da ferradura rompeu o bolso do sobretudo. Tirá-la de dentro do forro vai ser o cabo dos trabalhos.

   O senhor, pacientemente, recuperou a ferradura do sobretudo, que foi para coser, e pendurou-a num prego atrás da porta.

   — É para dar sorte.

   No dia seguinte, ia ele a entrar em casa com a mulher, e a porta não se abriu. Porque seria, porque não seria...

   Tiveram de entrar em casa, a muito custo, por uma janela.

   A ferradura tinha caído e entalara-se em cunha na porta, impedindo-a de abrir-se.

   — Estou a ver que a ferradura só dá trabalhos — comentou a mulher.

   O senhor não ligou e foi meter a ferradura numa gaveta:

   — É para dar sorte.

   Passado tempo, a mulher veio mostrar-lhe umas camisas todas manchadas:

   — Puseste a maldita da ferradura na gaveta, encheu-se de ferrugem e deu cabo destas camisas. As melhores que tinhas...

   Então o senhor aborreceu-se. Estava desiludido com a ferradura, que só o metera em trabalhos.

   — Vou desfazer-me do raio da ferradura. Para dar sorte… — e atirou-a pela janela.

   Por pouca sorte, a ferradura foi bater no capot de um automóvel que ia a passar. Pior seria se tivesse acertado em alguma cabeça. Mesmo assim amolgou o automóvel.

   Veio o automobilista pedir explicações:

   — Quem é o animal que anda a atirar os sapatos para o meio da rua?

   O senhor que achara a ferradura teve de pedir muitas desculpas e pagar uma indemnização, para que o caso ficasse por ali. E para que a história acabasse aqui.

António Torrado
www.historiadodia.pt
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB