Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Mamadou sorri enquanto bebe uma chávena de chá



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Ler uma história...

 



Uma Prenda de Natal

[Ler / Descarregar versão pdf]
  O vento gelado acordou o Pequeno Ouriço-Cacheiro do seu profundo sono de Inverno.

   À sua volta, as folhas esvoaçavam pelo ar e um imenso manto de neve cobria a clareira.

   Cheio de frio, tentou adormecer novamente, mas em vão.

   Subitamente, algo caiu do céu...

   BUMM!

   …e aterrou mesmo à sua frente. Era uma linda prenda! E tinha o seu nome escrito na etiqueta!

   O Pequeno Ouriço-Cacheiro abriu com entusiasmo o embrulho.

   Que surpresa! Um lindo gorro de lã vermelho... mesmo do seu tamanho!

   Enfiou-o logo na cabeça. Puxou-o para trás. Puxou-o para a frente. Puxou-o para um lado; e depois, para o outro…

   Que estranho! O pompom ficava sempre virado para o lado errado. Talvez, o gorro fosse demasiado grande para um ouriço-cacheiro ainda tão pequenino.

   Tirou-o e decidiu guardá-lo.

   Até que teve uma brilhante ideia...

   Embrulhou novamente o gorro e fez um bonito laço.

   Rasgou uma parte da etiqueta e escreveu na outra umas palavras misteriosas.

   De seguida, dirigiu-se a casa do seu amigo Coelhinho.

   Como ele não estava, deixou a prenda à frente da sua porta.

   Um forte nevão começou a cair.

   O Pequeno Ouriço-Cacheiro tentou encontrar o caminho de regresso à sua casa.

   Os flocos de neve caíam cada vez mais. Perdido, já não sabia por onde ir.

   — Oh, meu Deus! Eu não devia ter saído com este tempo tão frio! — murmurou. — Mas, tenho a certeza que o meu amigo Coelhinho vai ficar muito feliz com o lindo gorro de lã que lhe ofereci.

   — Que mau tempo! — resmungou o Coelhinho de regresso a casa.

   Viu a prenda pousada na soleira da porta e ficou radiante.

   — O que será? — exclamou. Abriu o embrulho e gritou: — Um gorro de lã! Para MIM!

   Entusiasmado, experimentou-o. Primeiro, com as orelhas dentro e depois com elas de fora. Puxou-o para um lado, para o outro...

   De todas as maneiras, as suas grandes orelhas ficavam sempre MAL!

   O gorro estava agora muito maior. Tornara-se demasiado grande para um coelho tão pequeno.

   Por isso... o Coelhinho voltou a embrulhar o gorro e escreveu algo no canto da etiqueta.

   Depois, saiu e dirigiu-se a casa do seu amigo Texugo. Com o frio, este ficava muito resmungão.

   — Feliz Natal, amigo! — exclamou o Coelhinho, alegremente.

   — Quem está aí? — perguntou, intrigado, o Texugo.

   — Feliz Natal! — repetiu o Coelhinho. E, com carinho, entregou o misterioso embrulho ao seu amigo.

   — Uma prenda de Natal? — exclamou o Texugo, muito admirado. — Para MIM?

   Feliz, o Texugo colocou o gorro na cabeça, mas as suas orelhas ficaram completamente tapadas.

   — Que tal? Fica-me BEM? — perguntou, olhando-se ao espelho.

   — Muito bem! — respondeu o seu amigo.

   — Como? Que disseste? — perguntou o Texugo.

   — Muito bem! — gritou o Coelhinho, saindo aos saltos.

   — Não gostas dele? — perguntou o Texugo, voltando-se para trás.

   Contudo, o Coelhinho já tinha partido.

   — Este gorro não me serve! — disse ele, tirando-o. — Não consigo ouvir nada. Que pena! Tem uma cor tão bonita!

   O texugo tornou a embrulhar o gorro, sem se preocupar com a etiqueta.

   Dirigiu-se a casa da sua amiga Raposa.

   A Raposa estava a sair para o seu passeio habitual.

   — Que bom, estás aqui! — disse o Texugo. — Tenho uma prenda de Natal para ti.

   — Uma prenda de Natal? — perguntou a Raposa, intrigada.

   — Sim de Natal! — confirmou o Texugo. — É uma época muito especial que nos lembra que devemos ser todos amigos! — respondeu, afastando-se.

   — Um gorro? — exclamou a Raposa, sorrindo. — Para que preciso eu de um gorro?

   Pensativa, observou-o de novo.

   Fez dois buracos para as suas orelhas e enfiou-o.

   Feliz, prosseguiu o seu caminho.

   As planícies esbranquiçadas brilhavam sob a luz do luar.

   A Raposa farejava à sua volta, quando de repente, descobriu um pequeno trilho. Seguiu-o por um lado, depois por outro...

   De súbito, parou.

   Alguma coisa estava debaixo da neve!

   A Raposa começou a escavar, a escavar... até que encontrou um pequeno ouriço--cacheiro.

   Ele estava gelado e não se mexia.

   — Pobrezinho! — exclamou a Raposa.

   Colocou o pequenino dentro do gorro de lã e levou-o, com cuidado, até à casa do Coelhinho.

   Ele e o seu amigo Texugo estavam a lanchar.

   — Vejam o que eu encontrei na neve! — exclamou a Raposa.

   Ambos espreitaram para dentro do gorro.

   — Um ouriço-cacheiro? Como é possível teres encontrado um ouriço-cacheiro com este frio? — perguntou o Texugo. — Ele tem de ser reanimado imediatamente!

   — É o meu amigo, o Pequeno — gritou o Coelhinho. — Talvez se tenha perdido quando tentava regressar a casa.

   O Pequeno Ouriço-Cacheiro abriu os olhos.

   — Olá! — balbuciou, sonolento. — Que bom! Este cobertor é tão quentinho!

   Os amigos olharam uns para os outros.

   O Coelhinho riu-se e a raposa abanou a cabeça.

   — Hummm! — disse o Texugo.— Penso que este gorro de lã é mesmo perfeito para o nosso Pequeno Ouriço-Cacheiro!

   — Feliz Natal, amigo! — gritaram todos... mas o Pequeno Ouriço-Cacheiro, feliz, já caíra num profundo sono.

M. Christina Butler
Uma Prenda de Natal
Vila Nova de Gaia, Editora Educação Nacional, 2007
[Ler / Descarregar versão pdf]


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Histórias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB