Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Parentalidades: o ter(ser) dos discursos, as histórias e as narrativas actuais
Maio, 2009
Maria da Graça Torres Silva e Lília Brito - Psicólogas do Departamento de Psicologia Clínica da Maternidade Dr. Alfredo da Costa
Cadernos de Educação de Infância
APEI - Assoc. de Profissionais de Educação de Infância


[ver mais artigos deste autor]
  Um grande número de pessoas passa pela experiência de ter filhos e é inquestionável que todos fomos gerados e ainda temos ou já tivemos pais.

  Nas consultas de Psicologia da Maternidade Dr. Alfredo da Costa ouvimos com frequência este desabafo por parte das mulheres: "Enganou-me, engravidei, e estou a viver em casa dos meus próprios pais" ou "Estou sozinha a cuidar dos meus filhos".

  Por seu lado, alguns homens lamentam-se: "A minha mulher não me deixa tratar do meu filho. Só ela é que sabe. Só tenho direito a trocar fraldas".

  No caso de voltarem a constituir família, os casais com filhos de casamentos ou ligações anteriores queixam-se do enorme cansaço provocado pela atenção a dar a uma família tão numerosa.

  Bornstein (1995) descreve diferentes tipos de pais ou parentalidades, a saber: pais de famílias tradicionais, pais separados, pais solteiros, pais adolescentes, pais adoptivos e pais homossexuais, tipos estes que implicam diferentes modos de cuidar e de prestar cuidados.

  Este mesmo autor descreve também quatro tipo de funções essenciais dos educadores: a prestação de cuidados alimentares, materiais, sociais e didácticos (1).

  As tarefas principais dos pais não se resumem à sobrevivência e à garantia de condições para que as crianças se desenvolvam dentro e fora do espaço familiar. É também muito importante o estabelecer de uma primeira relação afectiva significativa e de outras relações de qualidade que perdurem no tempo.

  Numa perspectiva actual, há assim diferentes pais, estilos, práticas e papéis parentais. Ou seja, há diferentes formas de exercer a parentalidade. No entanto, os discursos (modelos e teorias) acerca dos papéis, funções e a sua importância para o desenvolvimento da criança não são recentes.

  Na história da psicanálise apercebemo-nos de uma série de mudanças na forma como o relevo é dado a cada um dos parceiros das interacções familiares e deste impacto em termos do desenvolvimento psicoafectivo da criança.

  Abraham foi o primeiro analista a assinalar a importância da relação precoce entre a criança e a mãe. Para este autor, no estádio de relação mais precoce a criança não consegue diferenciar-se entre ela própria e o objecto exterior, mãe.
  Freud, no início da sua obra em 1949, salienta o longo período de dependência infantil do ser humano face aos progenitores, não apenas em termos de subsistência física mas também psíquica. Nesta dependência prolongada dos objectos parentais, os primeiros modelos de referência são a mãe e o pai.
  Em 1950, Erickson refere que as experiências proporcionadas pelos pais têm repercussões no desenvolvimento ao longo dos vários estádios que postula (confiança versus desconfiança; autonomia versus dependência, etc).
  Para Klein, a mãe é a cena, o alvo dos deslocamentos e impulsos. A mãe ocupa o espaço central. O sujeito depende, para viver, do seio que satisfaz e que demonstra a sua presença ou ausência. A mãe kleiniana é assim uma mãe fálica.
  Winnicott introduz a influência do meio no desenvolvimento psíquico do ser humano. O meio é representado no início da vida do bebé pela mãe ou um dos seus substitutos. Mãe e bebé são um só. Num período de dependência absoluta do bebé ao se adaptar às suas necessidades com uma atitude de "preocupação maternal primária", a mãe permite o livre desenvolvimento dos seus processos de maturação. É a mãe com capacidades de "holding" e "handling", a mãe dita "suficientemente boa" que permite desenvolver o sentimento de continuidade de existência e que faz a apresentação do mundo à criança. Mãe que se ocupa e brinca com o seu bebé e este que reconhece o seu rosto, a sua voz, as suas atitudes. Mas, desenvolvimento é também separação da mãe com a ajuda do pai.
  Para Dolto, ambos os pais são responsáveis pela coesão narcísica da criança. O bebé inscreve-se num espaço afectivo triangular, fruto de três desejos: do pai, da mãe e do seu. A mulher para Dolto não é mãe senão através do homem. Pai e mãe exercem papéis e funções diferentes. No início, a mãe é a pessoa única e necessária tendo uma relação privilegiada com o bebé. Depois é mediadora dos outros. Há um outro para lá da díade. O pai que inscreve depois a criança no social.
  Bion retoma o debate sobre as qualidades maternas: fala da capacidade de sonhar (rêverie), da função continente e transformadora, e relembra a importância das experiências emocionais. Podemos sintetizar que mãe-função materna, pai-função paterna interiorizam-se através dos diferentes estilos relacionais estabelecidos com a criança. A mãe é o objecto de dependência e suporte e a sua retirada, se bem realizada, permite organizar a capacidade de separação e conduz à abertura da criança para o mundo exterior. Leva à curiosidade pelo diferente. A mãe possibilita o desenvolvimento, mas com o pai por perto. Ser pai é assim ser o diferente, mas ser reconhecido, primeiro, como duplo materno.
  São estas as referências da Psicanálise.

  Mas não podemos deixar de referir, também nos anos 50, a preocupação da Psicologia em determinar quais as componentes e características do ambiente precoce da criança que são determinantes para o seu desenvolvimento emocional e social.
  Relembramos os trabalhos de John Bowlby, Mary Ainsworth, Boston e Rosenbluth sobre os efeitos da separação precoce "mãe-bebé".
  Nos anos 60, surgem novamente os trabalhos de Bowlby e Ainsworth sobre a vinculação.
  Nos anos 70, o interesse volta-se para a descoberta dos comportamentos e das interacções que possibilitam o estabelecer dessa vinculação. É o encontro dos trabalhos de Berry Brazelton (1963), Stern (1971), Bertrand Cramer (1981) e Serge Lebovici (1983).
  E, a partir desta década reconhece-se o carácter comunicativo e competente do bebé, as competências da mãe, do pai e as influências do meio. Estudam-se igualmente os processos em que se estabelecem as díades, Shaffer, 1991.
  A importância das tríades ou políades - mãe, pai, bebé - tem sido assinalada recentemente por Carboz-Warnery, Fivoz-Depeusinge, Bettens e Favez, 1992, e Figueiredo, 2001.

  E, assim, cada vez mais se constata e teoriza que o desenvolvimento e as competências do bebé resultam dos efeitos directos e indirectos das funções parentais e que estas também são reguladas pelo próprio bebé. É o humor e a atenção da mãe, o toque, o embalar e o sorrir que predizem certos comportamentos e competências do bebé.
  Para Cowan & Cowan, 1992, a qualidade das interacções é influenciada pelos seguintes factores: efeitos da comunicação, suporte marital e qualidade da relação conjugal, crenças dos pais acerca de si como pais e das suas capacidades de criar e educar.
  Segundo as investigações de Bornstein, Maital e Tal, 1994, as mães passam mais tempo em interacção com os seus bebés do que os pais, e estes, em contrapartida, apresentam diferentes tipos de interacção com os seus filhos. As mães beijam, falam, embalam, pegam e seguram mais os seus filhos do que os pais. Estão mais associadas aos cuidados prestados aos bebés enquanto que os pais são, sobretudo, identificados com as interacções para brincar. Os pais têm envolvimentos mais físicos, enquanto que as mães são mais convencionais nas actividades exercidas. Os pais exercem o papel de estimuladores embora saibam menos sobre as necessidades dos seus filhos. Para além disso, aguardam que os chamem para ajudar a cuidar da criança, requerendo orientações explícitas para completar tarefas básicas. Este envolvimento mais limitado por parte dos pais é contudo valorizado pelos vários autores como uma competência importante. Todos estes aspectos relacionados com a parentalidade acabam por se manifestar no espaço institucional, hospitalar, de uma Maternidade.

  As consultas na Maternidade Dr. Alfredo da Costa tornam-se assim num espaço privilegiado de encontros por vezes reduzidos a quatro, cinco ou mais consultas espaçadas no tempo com os pais e a criança.
  São consultas que se iniciam geralmente no momento do internamento e de dar à luz, e que se estendem ao espaço da consulta de pediatria.
  As histórias e narrativas (dimensão subjectiva) emergem nesse espaço de consultas terapêuticas as quais se constituem momentos de transformação e mudança nas relações e inter-relações precoces construídas a partir das experiências emocionais num tempo específico e único. É nestas consultas que os pais se apercebem das diferentes maneiras como se sentem: ser pais, mães e casais. Todos estes evoluíres se traduzem nos diferentes modos de exercer novas parentalidades.
  As linhas, os fios e as teias que perduram nos imaginários, histórias e narrativas dos pais são partilhados em diferentes contextos: nas enfermarias, na sala de cuidados intensivos e intermédios e no espaço da consulta de pediatria.
  As reconstruções do passado, as transformações do presente e as elaborações de um futuro que são possíveis de acontecer surgem frequentemente em frases do tipo: "Foi uma gravidez terrível, cheia de medos e espectativas"; "Tenho de perceber que o meu bebé é diferente e está na sala de cuidados intensivos", "É injusto que aconteça connosco", "Espero que tudo corra bem; quando sair e que o meu bebé não me associe a tudo o que de mal lhe está a acontecer".

  O nosso trabalho na Maternidade Dr. Alfredo da Costa é orientado por um interesse crescente pelas interacções mães-pais-bebés (políades), funções de cada um e dimensões positivas de transformação, em contraponto com os aspectos psicopatológicos das díades e interacções observáveis.
  O nosso projecto psicoterapêutico consiste sobretudo em trabalhar com os pais a sua capacidade de pensar, devolver-lhes a confiança e a competência enquanto pais; transmitir-lhes esperança; fazê-los aceitar os aspectos positivos da incerteza, do desconhecido, do desenvolvimento, da vida e, finalmente, fazer com que reencontrem a capacidade de sonhar e acreditar.

(1) Prestar cuidados alimentares de modo a responder às necessidades físicas e psíquicas das crianças; cuidados materiais que permitem construir e organizar o mundo físico da criança; prestar cuidados sociais é promover uma variedade de comportamentos nas trocas interpessoais; prestar cuidados didácticos consiste numa variedade de estratégias que se usam na estimulação da criança para que o mundo seja alargado para além da díade pai-criança. in
Cadernos de Educação de Infância
Abr./Jun. 2004
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB