Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Crianças Adoptadas
Maio, 2008
Teresa Paula Marques - Psicóloga Clínica
www.teresapaulamarques.com

[ver mais artigos deste autor]
  Um filho adoptivo pode ter a certeza de que foi muito desejado!

  Não conseguir engravidar pode transformar-se num pesadelo à medida que o tempo avança. Frequentemente surge a hipótese de uma fertilização In Vitro.

  Começam as consultas médicas, os exames, as tentativas muitas vezes frustradas. Quando estão prestes a esgotar-se as hipóteses, eis que surge uma nova luz ao fundo do túnel – a adopção.

  Inicia-se um novo percurso. A espera é longa e penosa, mas compensa. Poucos são os casais que conseguem adoptar um recém-nascido o que, em parte, facilitaria todo o processo de adaptação. Adoptar um bebé, permite que sejam estabelecidos laços desde tenra idade, e que os pais possam assistir a todas as etapas do desenvolvimento (em tudo semelhante ao que se passaria com um filho biológico). Por outro lado, se a criança é muito pequena, reduz-se o tempo em que se terá sentido abandonado e/ou maltratado o que, por sua vez nos permite descansar quanto a possíveis sequelas psicológicas que daí advenham. Contudo, a realidade impõe-se e são poucas as famílias que recebem uma criança logo nos primeiros momentos de vida.

A fase de adaptação

  Algumas mães revelam que sentiram, no início, alguma culpabilidade por não se sentirem "verdadeiramente mães". Mas tudo é uma questão de tempo. Pouco a pouco, vai sendo possível relaxar, desprenderem-se das tensões acumuladas e investirem a fundo no filho.

  É também normal, que nos primeiros tempos, o bebé sinta alguma estranheza face a pessoas que não conhece e que vá frustrar as expectativas. Quem lida com crianças já se apercebeu que a partir do 8º mês, as relações com as pessoas desconhecidas passa a ser bastante diferente. Se até aí o bebé passava de colo para colo sem se manifestar, ao surgir a denominada "angústia do estranho", tudo se modifica.

  É possível que a criança chore e tente esquivar-se ao contacto mas, com paciência e carinho, facilmente se reverte esta situação e nasce a confiança. É preciso ter sempre presente que uma criança dada para adopção é sempre muito carente de afecto e de atenção, portanto vai rapidamente tornar-se receptiva.

Estabeleça limites desde o início

  No caso das crianças mais velhas, o primeiro ano é especialmente complicado. A criança quer testar os limites, provar se o carinho e o amor dos pais resiste aos ataques por ela infringidos. É importante que, desde o primeiro momento, se estabeleçam regras de "amor firme" isto é, os pais deverão mostrar que precisamente por gostarem muito dele/a é que têm de a/o educar.

  As regras transmitem segurança, estruturam e revelam uma consistência importante para o desenvolvimento. É também fundamental que sejam explicadas, ao invés de impostas. Uma criança reage muito melhor a uma regra, quando compreende para o que serve. É por isso que os pais democráticos obtêm melhores resultados com a educação que dão aos filhos, que os pais autoritários, ou mesmo os permissivos.

  Educar é traçar linhas de conduta, que sirvam de referência para a que criança tenha onde se apoiar, não é apoiá-la constantemente, porque isso restringe a liberdade e impede a autonomia.

Modere-se!

  Muitos meninos que são entregues para adopção, carregam consigo pesados fardos de maus tratos e abandono, por este motivo, e por constituírem a materialização de um sonho alimentado ao longo de muito tempo, é provável que a tendência dos pais adoptivos seja a de os super protegerem e encherem de brinquedos.

  Escusado será dizer que este tipo de educação não é, de todo, recomendável. Passa a haver, ao nível inconsciente, uma associação entre o material e o afectivo, do tipo "ele não me dá um computador porque não gosta de mim", raciocínio este que é altamente nocivo para o desenvolvimento afectivo da criança. Saber gerir as frustrações é fundamental para que a vida adulta possa ser pautada de sucessos.

Quando dizer a verdade?

  Os pais, movidos pelo receio de perderem o amor dos filhos, ocultam muito tempo o facto deste ser adoptado. A integração social preocupa-os, uma vez que temem que a criança seja olhada de outro modo pelas pessoas se essa verdade estiver a descoberto.

  Outras vezes não encontram formas de o dizer e vão deixando o tempo passar. Ocultar a verdade até à adolescência é contraproducente, e revelá-lo ainda mais tarde, também não favorece a aceitação por parte do jovem adoptado.

  Curiosamente, muitos meninos adoptados referem que já desconfiavam da verdade, por isso no momento da revelação, emerge um sentimento de traição e de solidão porque, afinal de contas, são eles os únicos a desconhecerem a verdade Podem também sentir vergonha e a sua lógica de pensamento será "se os meus pais não me disseram mais cedo é porque isto era um segredo terrível". Assim sendo, o melhor a fazer é, desde sempre a criança estar a par da verdade e crescer no seio dela.

Eternas dúvidas

  "Se fosse meu filho biológico seria igualmente irrequieto?"; "Será que ele se sente suficientemente amado?", estas são duas questões bastante comuns.

  Mas a realidade é o que é, por isso, ao invés de se angustiar, concentre-se em dar ao seu filho todo o carinho que ele necessita para que possa crescer como qualquer criança, saudável e feliz.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB