Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Mani e a amiga-sombra



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Alimentação no 1º ano de vida
Janeiro, 2008
Dra. Mariana Bessa - Nutricionista - licenciada pela FCNAUP

[ver mais artigos deste autor]
  Uma adequada nutrição durante a infância é fundamental para que haja o desenvolvimento de todo o potencial humano da criança.



   Reconhece-se que os dois primeiros anos são fundamentais para a promoção de um crescimento adequado, saudável e um desenvolvimento comportamental apropriado.

   O leite materno é o alimento ideal para a criança nos primeiros meses de vida, contém todos os nutrientes essenciais na proporção e quantidade necessárias ao crescimento e desenvolvimento da criança.

   A Organização Mundial de Saúde recomenda o Aleitamento Materno exclusivo até aos 6 meses de idade. A partir desta fase, o leite materno deixa de ser suficiente para suprir as necessidades nutricionais, sendo assim fundamental introdução de novos alimentos, a diversificação alimentar.

   A alimentação diversificada consiste na transição de uma alimentação exclusivamente láctea para outra que inclui, além do leite, outros alimentos de maior consistência até chegar a alimentos sólidos. Constitui um período de transição entre o aleitamento materno e uma alimentação semelhante ao resto da família. A alimentação diversificada, também denominada de alimentação complementar, deve complementar o leite (materno ou fórmula) e não substitui-lo.

   Diversos organismos internacionais relacionados com a Nutrição Pediátrica defendem que a alimentação diversificada não deve iniciar-se antes dos 4-6 meses de idade, nem depois dos 6-8 meses. Contudo estes limites não devem ser fixos e sim adaptada a cada caso específico, tendo em conta a maturação e desenvolvimento do aparelho digestivo, da função renal e do desenvolvimento psicomotor e neurocomportamental.

   A introdução precoce de novos alimentos pode acarretar algumas desvantagens, como o aumento do risco de aparecimento de alergias alimentares e excesso de peso.

   Os objectivos da diversificação alimentar são mais do que nutricionais. Esta nova fase do desenvolvimento da criança visa também a aquisição de competências através dos estímulos fornecidos pelos novos alimentos (texturas, sabores, odores, visão) e também a educação nutricional e a preparação da criança para se inserir no regime alimentar familiar.

   Não existe uma ordem rígida a ser seguida nos primeiros alimentos oferecidos. Usualmente o 1º alimento a ser introduzido é papa de cereais (por volta dos 5 meses), mas também se pode iniciar com a fruta. Alimentos com glúten (proteína que se encontra em alguns cereais trigo, centeio, aveia e cevada) não devem ser introduzidos antes dos 6 meses.

   Ao longo da diversificação alimentar deve-se ter o cuidado de inserir um alimento de cada vez, com um espaço de 3 a 5 dias entre cada alimento. Desta forma se ocorrer alguma reacção ao novo alimento é possível detectar e corrigir eficazmente.

   Aos 6 meses pode ser introduzida a fruta. Deve começar-se pela maçã, pêra e banana. A fruta no início pode ser cozida, passando depois a ser crua.

   A criança pode começar a comer sopa de hortícolas por volta dos 6-7 meses. Numa fase inicial deve incluir-se na sopa, a cenoura, a batata e a abóbora e gradualmente ir introduzindo outros hortícolas como a cebola, o alho-francês e a couve branca.

   Os espinafres e o nabo tal como o kiwi, os morangos, o pêssego e a manga por serem potencialmente alergogénicos, só deverão ser introduzidos depois de 1 ano de idade.

   Os boiões de comida devem ser para emergências, e optar por fazer a sopa e preparar a fruta em casa, sendo mais vantajoso para a criança e mais económico para a família.

   Para que a criança comece a habituar-se ao sabor da carne, aos 8 meses, esta deve ser cozida e retirada da sopa. Deve optar-se por peru, coelho e frango, e quando a criança já estiver familiarizada com o sabor pode-se triturar a carne na sopa e mais tarde inclui-la nas outras preparações culinárias.

   Aos 9 meses pode introduzir-se a gema de ovo, deve dar-se 1/4 de gema cozida, 3-4 vezes por semana, e só aos 10 meses introduzir o peixe, sendo a melhor opção a pescada, o linguado e a solha.

   O iogurte pode também ser inserido aos 10 meses, começando pelo iogurte natural.

   A partir do 11º mês introduzem-se as leguminosas e devem ser fornecidas 2 vezes por semana com arroz ou hortícolas. Ainda aos 11 meses, quando a criança já conseguir mastigar, começa-se a introduzir o arroz, a massa e o pão.

   O açúcar e o sal não devem ser adicionados aos alimentos da criança, devendo retardar-se a sua introdução. Quanto mais tarde contactarem com este tipo de sabores, mais tarde vão adquirir a sua preferência por eles, e neste sentido os pais têm um importante papel no desenvolvimento das preferências alimentares dos seus filhos, pois são normalmente o elo de ligação entre a alimentação e a criança.

   A consistência dos alimentos deve começar por ser uma papa homogénea e evoluir para mais granulosa até que fique com pequeno fragmentos, quando surgirem os primeiros dentes.

   É importante realçar que se deve encorajar a criança a provar os novos alimentos, mas não a forçar porque é normal a recusa de alguns alimentos. Deve experimentar-se diferentes combinações, texturas e métodos culinários para tentar melhorar a aceitação.

   Encare com entusiasmo esta nova fase de desenvolvimento do seu filho, e estimule a sua entrada no " mundo da alimentação" de uma forma saudável.

   "Uma óptima diversificação alimentar depende não só do que é oferecido, mas também como, quando, onde e por quem é oferecido" Pan American Health Organization,World Health Organization

Bibliografia:

- Agostoni C, Decsi T, Fewtrell M, Goulet O, Kolacek S, Koletzko B, et al. Complementary feeding: a commentary by the ESPGHAN Committee on Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2008; 46(1):99-110.

- Pan American Health Organization. Guiding Principles for Complementary Feeding of Breastfed Child. Pan American Health Organization, World Health Organization; 2003.

- Silva A. Diversificação Alimentar -porquê, quando e como? In: Nutrição Pediátrica, Princípios Básicos. Lisboa: Clínica Universitária de Pediatria, Hospital Santa Maria. 3, p. 98-105.

- Silva D, Guerra A. Diversificação Alimentar no 1º ano de vida. Revista de Alimentação Humana. 2000; 6(3).

- World Health Organization. Complementary feeding: Report of the global consulation. Geneva: WHO; 2001.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB