Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A macieira



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Prevenção das Toxicodependências
Outubro, 2007
Victor Silva - Psicólogo

[ver mais artigos deste autor]
  É um dos maiores medos dos pais: e se o meu filho se torna um toxicodependente? Existem vários factores de risco, mas também existem factores de protecção. E nunca é cedo demais para começar a prevenir não só o uso de drogas como outros comportamentos danosos para a saúde.

  A prevenção das dependências para crianças é acima de tudo educação para a saúde. Ao ensinar o seu filhote a lavar os dentes, a fazer a higiene pessoal, a incutir o gosto pelo desporto, está a aumentar os factores de protecção. Isto não quer dizer que fiquemos com a certeza absoluta de que o seu filho nunca consumirá drogas, mas estamos a aumentar a probabilidade de que não o faça. Mas isso não basta: a criança precisa de um ambiente seguro, afectuoso mas com regras. Tem de ser acarinhada, mas também tem de saber o que não pode ou não deve fazer. Se quiser originar problemas de comportamento, problemas psicológicos, uso de substâncias e coisas que tal nos seus filhos, pode começar por não lhes dar atenção, por deixá-los fazer tudo o que querem, por substituir afectos por playstations, por não passar tempo com eles. Evite passear; Evite brincar com o seu filho; Evite castigá-lo quando se porta mal se quer aumentar a probabilidade de comportamentos negativos.

  A investigação na área das drogas tem identificado consistentemente factores de risco e factores de protecção. Uma boa educação, uma boa prevenção da toxicodependência feita pelos pais deve aumentar os factores de protecção e diminuir os factores de risco. Existem factores de risco e protecção individuais, familiares, relativos ao grupo de pares, à escola e relativos à comunidade. Para simplificar as coisas, vou abordar essencialmente os factores de risco e protecção familiares, escolares e de grupo de pares (amigos), que serão talvez os mais prementes para crianças e pré-adolescentes:

  Factores de risco

  Na Família:

• Uso de tabaco/álcool/drogas pelos pais (para uma criança isto normaliza e até reforça a ideia de que os consumos não fazem mal ou são uma coisa a imitar)

• Atitudes permissivas ou favoráveis ao desvio (uso de substâncias)

• Sobrelotação ou família numerosa

• Baixas expectativas de sucesso (próprios e filhos)

• Estilo permissivo ou autoritário (deixar fazer tudo ou não deixar fazer nada)

• Relações afectivas deterioradas ou inconsistentes

• Padrões de comunicação negativos (dizer, por exemplo: “Não prestas, não consegues” no lugar de “Falhaste mas és capaz de melhorar, eu ajudo-te”)

• Conflito familiar

  No Grupo de pares (amigos):

• Integração em grupo de pares com consumo de substâncias ou conduta delinquente

• Atitudes favoráveis ao uso de substâncias

• Maior implicação no grupo do que na família

  Na Escola

• Fracasso e abandono escolar

• Dificuldades nas transições de ciclo

• Organização e tamanho (grande) da escola

• Poucas oportunidades de participação e reforço

  Factores de Protecção

  Na Família:

• Supervisão e envolvimento dos pais nas actividades dos filhos (os dois pais, não só a mãe…)

• Estrutura familiar pequena (menos de 4 filhos, com pouca diferença de idade entre eles)

• Expectativas elevadas e realistas (Pode-se dizer que o Luizinho tem capacidade para chegar a médico, mas também é preciso dizer que terá de estudar muito para lá chegar)

• Estilo democrático (as regras devem ser claras e adequadas, até com alguma negociação, mas sem esquecer quem é que tem a última palavra)

• Família coesa e apoiante, com fronteiras claras (Pai é pai, é afectuoso, apoia, mas não é o coleguinha da escola…)

• Padrões de comunicação claros

• Tradições e rituais familiares (Jantar em família, festejar aniversários e outras ocasiões, passear ao Domingo, etc.)

  No Grupo de Pares (amigos):

• Vinculação a grupo de pares “convencional” (pertença a grupo de amigos “normais”)

• Normas de grupo que não aprovam o uso de substâncias (quando se diz que o desporto previne o uso de substâncias, falamos não só do desporto em si, mas também dos valores do grupo que pratica desporto, em que na maior parte dos casos, o uso de drogas - legais ou ilegais – é mal-vista e que para além disso promove o trabalho em equipa, o respeito pelo outro, o lidar com o fracasso e a derrota, o investir para conseguir um objectivo)

  Na Escola:

• Oportunidades de participação (possibilidade de entrar em actividades da escola – Jornal da escola, Clubes, etc)

• Reforço pela implicação na escola (os pais devem motivar os filhos a participar e devem recompensá-los – não necessariamente com prendas caras. Fazer com eles uma coisa que queiram – ir ao Jardim Zoológico ou ao Oceanário tem mais vantagens – até mesmo na relação pais-filhos – que oferecer uma playstation)

  Como já referi, estas não são receitas para ser ou deixar de ser um consumidor de drogas (e quando digo drogas, também falo do tabaco e do álcool), existem muitos outros factores e é um facto indesmentível que em alguma altura da vida, os seus filhos terão contacto (diferente de consumo) com alguma droga. Um colega fumará, outro beberá ao sair à noite. Mas o seu filho optará mais depressa por não fumar ou por não beber (ou beber menos…) quando for adolescente se trouxer da base – da infância – factores de protecção fortes e poucos factores de risco.

  E em relação às playstations (já que falei pelo menos 2 vezes nelas)…Também podem ser muito positivas! Jogar com o seu filho é mostrar que se interessa pelo que ele gosta, reforça a relação, é uma forma de estarem juntos numa actividade agradável e, claro está, também é divertido para si! Experimente e verá…

Obs: A descrição dos factores de risco e factores de protecção é baseada numa formação da Dra. Inês Abraão, psicóloga do Instituto da Droga e Toxicodependência - Delegação Regional do Norte.

Um sítio para os seus filhos consultarem, sobre drogas, é o
www.tu-alinhas.pt especificamente criado para jovens.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB