Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


O optimismo na educação dos nossos filhos…(II) - O inquérito apreciativo e o discurso optimista
Julho, 2007
Maria José Ribeiro (Psicóloga U.P.)
O Abrigo - Centro de Solidariedade


[ver mais artigos deste autor]
Este foi um dos conteúdos abordados na acção de sensibilização "O optimismo na educação dos nossos filhos…": a importância de usarmos uma linguagem positiva na relação educativa com as nossas crianças.

A linguagem que usamos espelha a forma como vemos e sentimos a realidade: assim, se usarmos uma linguagem positiva para falar/perguntar sobre a família, a escola, o trabalho, as pessoas, obteremos uma imagem também ela mais positiva de todos esses aspectos da vida.

Senão, vejamos: se fizermos perguntas sobre coisas boas, com maior probabilidade iremos receber respostas relativas a coisas boas! Mas se no nosso discurso procuramos problemas, encontrá-los-emos de certeza!
Por exemplo, porque é que tantas vezes nos dirigimos à criança, depois de mais um dia de escola, com um inquérito do género:
- "Então, essa Matemática, continua a ser um problema?"
ou
- "O João voltou a bater-te?".
Outra abordagem possível passaria por colocar questões como:
- "Então, tiveste muitas aventuras na escola?"
ou
- "Que coisas novas aprendeste hoje?".

Se pensarmos um pouco, percebemos que a primeira abordagem leva a que a criança se centre naquilo que, possivelmente, não correu assim tão bem no seu dia de escola.
A segunda forma de questionar, por outro lado, abre-lhe os horizontes para tudo aquilo que na escola é prazer, aliás, tem subjacente a noção de que aprender pode ser uma actividade agradável. No entanto, este tipo de questionamento não "fecha a porta" para a expressão de sentimentos negativos que a criança eventualmente sinta necessidade de fazer: se a nossa relação com ela for suficientemente próxima e genuína, podemos estar certos que mesmo colocando questões positivas/apreciativas a criança terá a abertura necessária para relatar ou comentar situações menos boas que possam ter ocorrido naquele dia.

De igual modo, as palavras que dizemos uns aos outros e a forma como as dizemos, deixam transparecer a nossa postura interior de pessimismo ou optimismo.
Assim, porque é que as pessoas tendencialmente pessimistas mais facilmente verbalizam algo como "Está bem." ou "Não me parece mal." perante uma situação que merece a sua aprovação?
Por outro lado, a pessoa optimista, na mesma situação, irá possivelmente recorrer a expressões ou palavras mais entusiasmadas e intensas, tais como "Espectacular!" ou "Parece-me óptimo!".
Com efeito, existem formas de falar que transmitem força e energia, enquanto que outras nos deixam pesarosos e sem ânimo…

Trata-se, de facto, de uma verdadeira revolução interior, esta tentativa de crescermos numa atitude de optimismo! Começa por nós, adultos, e transmite-se aos menores que educamos, assegurando-lhes um sentido de auto-estima mais valorizado e uma maior capacidade para lidar com as dificuldades e frustrações que certamente irão encontrar ao longo da vida.

Maria José Ribeiro (Psicóloga U.P.) exerce funções na área de intervenção comunitária no O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de S. João de Ver (Santa Maria da Feira)

Referências:

- Marujo, H. A., Neto, L. M., & Perloiro, M. F. (1999). Educar para o Optimismo. Lisboa: Editorial Presença.

- Ribeiro, M. J. (2003). Ser Família: construção, implementação e avaliação de um programa de Educação Parental. Braga: Universidade de Minho (Dissertação de Mestrado em Psicologia Escolar apresentada ao Instituto de Educação e Psicologia).
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB