Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Um gato debaixo do pinheiro de Natal



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Auto-estima. Parte II
Maio, 2013
Sofia Arriaga - Psicóloga Clínica, Terapeuta Familiar e de Casal

[ver mais artigos deste autor]
  Está mais do que provado que o contacto físico positivo liberta no cérebro uma hormona que auxilia o processo de criação de vínculos afectivos após o parto, a oxitocina, que está associada à regulação do cortisol, que por sua vez produz um efeito calmante e relaxante.Os mimos, o colo, o contacto físico nunca são demais.

  O toque e o afecto estão associados à primeira necessidade do ser humano, a de sentir-se a existir para o outro.

  O recém-nascido procura desde muito cedo o olhar dos pais. O olhar e o toque. Precisa deles para aprender que existe. Um olhar e um toque que lhe dizem "eu sei que estás aqui".

  E quando são pequeninos não precisam de muito mais do que isto. E esta dança vinculatória é essencial para o resto da vida. A mãe brinca e o bebé sorri, o bebé balbucia e a mãe repete. Esta dança de afectos vai dar a informação que o bebé precisa para se saber e se sentir olhado, escutado, amado, especial.

  Do sentir-se aceite e sentir que existe para o outro faz parte o ser abraçado muitas vezes, em abraços apertados, em amassos e afagos, em beijos na bochecha ou na testa ou no alto da cabeça ou na pontinha dos dedos. Sempre com muita ternura e brincadeira à mistura.

  E também ouvir muitas vezes a palavra "amo-te", "gosto tanto de ti", "meu amor", "tu és capaz", "ah valente" e quantas mais quiserem.

  Não há amor demais. Não há mimo ou colo a mais. E por isso, tal como um comprimido, desta vez bem doce, temos que tomar pelo menos uma vez por dia e dizer palavras bonitas, muito sentidas, acompanhadas de toque e de muitos gestos e sorrisos.

  As crianças precisam de muita presença e atenção. Quanto mais apreciadas forem, quanto mais atenção tiverem, mais querem avançar, ser autónomas, seguir caminho. Apreciação positiva e mimo e afectos não levam à dependência não senhora. Levam à autonomia, à segurança, ao bem estar, ao auto-controlo e à alegria.

  Todos precisamos de mimo, de afagos e beijinhos. Tanto quanto de luz e de sol. Tanto quanto de água para saciar a sede. Tanto quanto de alimento para o corpo. Tanto quando de um pai e de uma mãe.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB