Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O cego e o caçador



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Auto-estima. Parte II
Maio, 2013
Sofia Arriaga - Psicóloga Clínica, Terapeuta Familiar e de Casal

[ver mais artigos deste autor]
  Está mais do que provado que o contacto físico positivo liberta no cérebro uma hormona que auxilia o processo de criação de vínculos afectivos após o parto, a oxitocina, que está associada à regulação do cortisol, que por sua vez produz um efeito calmante e relaxante.Os mimos, o colo, o contacto físico nunca são demais.

  O toque e o afecto estão associados à primeira necessidade do ser humano, a de sentir-se a existir para o outro.

  O recém-nascido procura desde muito cedo o olhar dos pais. O olhar e o toque. Precisa deles para aprender que existe. Um olhar e um toque que lhe dizem "eu sei que estás aqui".

  E quando são pequeninos não precisam de muito mais do que isto. E esta dança vinculatória é essencial para o resto da vida. A mãe brinca e o bebé sorri, o bebé balbucia e a mãe repete. Esta dança de afectos vai dar a informação que o bebé precisa para se saber e se sentir olhado, escutado, amado, especial.

  Do sentir-se aceite e sentir que existe para o outro faz parte o ser abraçado muitas vezes, em abraços apertados, em amassos e afagos, em beijos na bochecha ou na testa ou no alto da cabeça ou na pontinha dos dedos. Sempre com muita ternura e brincadeira à mistura.

  E também ouvir muitas vezes a palavra "amo-te", "gosto tanto de ti", "meu amor", "tu és capaz", "ah valente" e quantas mais quiserem.

  Não há amor demais. Não há mimo ou colo a mais. E por isso, tal como um comprimido, desta vez bem doce, temos que tomar pelo menos uma vez por dia e dizer palavras bonitas, muito sentidas, acompanhadas de toque e de muitos gestos e sorrisos.

  As crianças precisam de muita presença e atenção. Quanto mais apreciadas forem, quanto mais atenção tiverem, mais querem avançar, ser autónomas, seguir caminho. Apreciação positiva e mimo e afectos não levam à dependência não senhora. Levam à autonomia, à segurança, ao bem estar, ao auto-controlo e à alegria.

  Todos precisamos de mimo, de afagos e beijinhos. Tanto quanto de luz e de sol. Tanto quanto de água para saciar a sede. Tanto quanto de alimento para o corpo. Tanto quando de um pai e de uma mãe.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB