Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

A voz da terra



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Auto-estima. Parte I
Fevereiro, 2013
Sofia Arriaga - Psicóloga Clínica, Terapeuta Familiar e de Casal

[ver mais artigos deste autor]
  As estórias que as crianças contam a si próprias sobre quem são, irá influenciar a forma como se percepcionam, como se sentem, como se relacionam com os outros?

  Pensem nisto e vejam por vocês próprios.

  Não presto, não consigo fazer nada bem, ninguém quer ser meu amigo é a estória ouvida durante muito tempo, contada muitas vezes por adultos importantes para estas crianças, e que muitas vezes fica a estória da sua vida.
br>   Criam-se padrões de imagens negativas desde a infância, imagens que afectam profundamente o seu autoconceito, a forma como constroem o seu eu.

  Estes padrões que são, no fundo, padrões de auto-estima, estabelecem-se muitas vezes logo desde tenra idade e vão-se perpetuando ao longo da adolescência e em toda a vida adulta. As crianças interiorizam não só o que ouvem mas o que vêem nos adultos que consideram especiais. É assim que depois estes padrões se auto impõem. Para além disso as crianças podem acabar por desenvolver determinados mecanismos, de forma a encobrir os seus verdadeiros sentimentos de baixa auto-estima. Muitas crianças, adolescentes e adultos que parecem ser egocêntricos e arrogantes, no fundo uma tentativa exagerada de se sentirem bem consigo próprios, têm efectivamente baixa-auto-estima, baixo auto-conceito, altos níveis de stress, baixa eficácia, baixa capacidade de lidar com novas situações, entre uma panóplia de outras coisas menos saudáveis.

  As crianças com baixa auto-estima tendem a atribuir muito pouco valor às suas capacidades e constantemente negam os seus sucessos. Também não estabelecem metas, não fixam objectivos e não conseguem resolver muito bem os problemas com que se vão deparando.

  Algumas destas crianças têm um medo enorme, feroz, constante de falhar. Estas, em vez de não traçarem objectivos como aquelas das quais acabámos de falar, traçam objectivos elevados, tão elevados que fica quase impossível serem conctretizados. Desta forma acabam por confirmar a sua própria profecia, de que não prestam, de que não são bons, suficientemente bons, em nada. Quando não acreditamos em nós essa crença vai levar a que nos comportemos de forma a validar, inevitavelmente, aquilo que pensamos e que sentimos. É um ciclo vicioso difícil de cortar ou saltar fora.

  Os adultos têm de perceber o seu papel fulcral no desenvolvimento saudável dos seus filhos. Os pais têm de lá estar não só para fazer surgir, desabrochar a auto-estima das suas crianças mas também para manter essa auto-estima ao longo do seu trajecto, que incontornavelmente vai passar por desafios e vicissitudes. Coisas da vida.

  Portanto, há uma série de tarefas que os pais podem levar a cabo para estimular os seus filhos, seja em que idade for. E antes de tarefas começamos por mudar alguns pensamentos, se possível. É importante ter a noção de que as crianças pequeninas não percepcionam o mundo como os adultos e não podem de repente aprender a lidar com a frustração e a gerir o stress. E o stress na primeira infância é realmente prejudicial. Mas que stress perguntam vocês. Por exemplo, o stress de um bebé que é constantemente ignorado quando chora. Ou de uma criança a quem lhe é dado pouco contacto físico. Ou de um miúdo a quem não lhe é permitido nunca fazer escolhas, trabalhar o seu sentimento de controle e de competência.

  Em síntese, qualquer criança confia nas mensagens que recebe das pessoas à sua volta, mensagens que lhe vão dar uma indicação do seu valor.

  As crianças são dependentes dos adultos, inclusivamente para criarem a imagem que vêem ao espelho. Diz-me como me vês, dir-te-ei quem sou. Aqui não há que errar: um laço seguro, feito com linhas de gostar, faz milagres, que não durarão um segundo mas todos os segundos de uma vida.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB