Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O cego e o caçador



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Chupeta: usar ou não usar?
Abril, 2012
Dra. Solange Burri - Consultora em Alimentação
Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil


[ver mais artigos deste autor]
  Desde o nascimento até cerca dos 18 meses o Bebé relaciona-se com o mundo exterior, essencialmente, através da boca. Este é o órgão mais importante do seu corpo. É através da boca que o bebé estabelece a relação de intimidade com a mãe durante a amamentação. A sucção fornece conforto emocional ao pequeno ser, daí que se afirme sem medo que a amamentação natural supre não só as necessidades nutritivas, mas também as necessidades psicológicas e emocionais. A chupeta ajuda a compensar o bebé emocionalmente, especialmente se nos reportamos a casos de desmame precoce, com adesão precoce ao biberão.

  Neste contexto, considera-se pertinente desmitificar algumas ideias relativas à utilização de chupeta pelo Bebé…

  Bebés que utilizam biberão precisam mais de chupeta?

  Já contabilizou o tempo que um bebé demora a beber um biberão de leite? Em média, um bebé consegue beber um biberão de leite em cerca de 3 minutos, enquanto que a amamentação natural se realiza em cerca de 40 minutos, por mamada. A necessidade infantil de sucção pode ser compensada pelo recurso à chupeta, mas os efeitos deletérios associados à amamentação artificial (ex. maior probabilidade de desenvolver otites, alergias respiratórias, problemas na aquisição da fala e desequilíbrios no crescimento dos maxilares) manter-se-ão. A chupeta pode pois ser encarada como uma "válvula de escape" e nunca uma alternativa.

  A chupeta é permitida até aos 4 anos?

  A introdução dos alimentos sólidos coincide geralmente com a erupção do primeiro dente (o primeiro dentinho rompe entre o 6º e o 8º mês, mas alterações cronológicas na sequência de erupção não significam necessariamente que haja razões para preocupação). O bebé aprende então a mastigar. A necessidade fisiológica de sucção cessa entre os 9 e os 12 meses de idade, no entanto, a sua necessidade psicológica permanece. A chupeta pode ser uma aliada quando o bebé está cansado ou agitado, sendo conveniente o seu uso descontínuo e por períodos curtos (a maior parte dos bebés que precisam de chupeta para dormir, soltam-na assim que adormecem). Se a criança precisa da chupeta para obter estabilidade emocional, o desmame da chupeta deverá ser programado para ocorrer até aos 4 anos.

  Como lidar com o prejuízo dentário?

  Convém esclarecer que nem todas as crianças manifestam alterações induzidas pelo uso da chupeta. Mais do que a intensidade e tempo de sucção, o biótipo (característica individual que manifesta uma determinada tendência de crescimento crâniofacial) da criança é decisivo no desenvolvimento ou não de desarmonias dentárias e/ou esqueléticas. As alterações mais frequentes associadas ao uso da chupeta são:
  a) mordida aberta (espaço entre os dentes superiores e os inferiores (foto 1)
  b) mordida cruzada (maxilar superior mais estreito do que maxilar inferior)



  Foto 1: Criança com dentes em mordida aberta.

  E se uma qualquer destas características for detectada, idealmente, o desmame da chupeta deve ser iniciado, razão pela qual os pais devem estar mais atentos a partir dos 24 meses. A mordida aberta dificulta a dicção de sons sibilantes numa fase de aquisição da linguagem e dificulta também o corte dos alimentos, podendo dificultar a digestão alimentar. A correcção de mordidas cruzadas em crianças maiores (a partir de 6-7 anos) é efectuada com recurso a aparelhos próprios, que alargam o maxilar superior. Actualmente, áreas de correcção na medicina dentária como a ortopedia e ortodontia, solucionam facilmente estes problemas, mas a prevenção é sempre a melhor escolha…e a mais económica também!

  Deixar a chupeta já é uma tarefa fácil!

  Assumir a responsabilidade de "tirar a chupeta" a uma criança, sob pena de se criar algum prejuízo de cariz emocional, compromete a opinião de alguns profissionais.
  Mas…e se fosse criada uma espécie de "chupeta boa" para substituir essa chupeta que insiste em deixar marcas na boca do seu filho?
  De facto, existe no mercado um acessório denominado "Trainer", sujeito a prescrição médica pelo dentista assistente, e consiste num aparelho miofuncional (espécie de ginásio que treina os músculos e estruturas da face) muito confortável, indicado para crianças dos 2 aos 5 anos (Foto 2).



  Foto 2: Acessório "Trainer" e forma de utilização.

  O seu uso, além de compensar emocionalmente a criança, corrige os danos que a chupeta terá induzido. Este acessório educa a língua, os lábios, estimula a respiração pelo nariz e pode ainda ajudar a evitar traumatismos dentários, se usado durante os passeios de bicicleta ou corridas no jardim.

  Nesse sentido, os pais devem transmitir a máxima confiança à criança para o uso injustificado da chupeta, estimulando o seu abandono voluntário, e estimular, em simultâneo a utilização de aparelhos como o "Trainer" que contribuem também para facilitar esta separação, por vezes, de difícil implementação…

  Para que não fique com dúvidas…

  - Dê a chupeta ao seu bebé, sem culpas;
  - Seleccione uma chupeta ortodôntica ou anatómica (já são muitas as marcas que evidenciam esta particularidade no rótulo);
  - Se o seu bebé e a mamã foram privados da amamentação natural, a chupeta poderá ser uma forma de compensação emocional que ele procure;
  - Evite aumentar o tamanho da chupeta ainda que o marketing desfavoreça esta ideia;
  - Mude a chupeta com regularidade (além de diminuir o risco de contaminação bacteriana do acessório, evita que o seu filho se adapte demais à "velha" chupeta, rejeitando todas as outras que lhe apresenta);
  - Se o seu filho não revela alterações na mordida, o desmame da chupeta deverá concretizar-se até aos 4 anos;
  - Se o seu filho mostra alterações na mordida e/ou rejeita deixar a chupeta, peça ajuda ao seu dentista sobre a utilização do "Trainer".

  Este artigo pretende sobretudo avaliar as razões que possam levar os pais a ser mais permissivos, ou não, na necessidade da chupeta que o seu bebé apresenta. A personalidade do Bebé, a sua necessidade emocional mas também questões relacionadas com a sua evolução dentária poderão comprometer o seu uso continuado. É, pois, fundamental estar atenta e ir acompanhando este processo, em parceria, com o profissional envolvido nesta área.

  Autor convidado: Dra. Helga Leite (prática exclusiva de odontopediatria e ortodontia)

  Uff, que alívio! Afinal sempre existe outra opinião profissional, para além da minha, que apoia a utilização da chupeta até certa idade. Será que existe uma opinião contrária que se atreve expôr-se? Ficámos na expectativa, eu e a Dra. Helga estamos aqui prontas para as dúvidas. Fiquem por perto!

Projecto babySol® - Segurança Alimentar e Nutrição Infantil
www.solangeburri.blogspot.com

[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB