Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

O elefante acorrentado



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Filosofar, pensar, imaginar: o desafio da investigação sobre os porquês das coisas
Janeiro, 2011
Joana Sousa, formadora e responsável pelo projecto Filosofia para Crianças

[ver mais artigos deste autor]
  A Filosofia para Crianças (FpC) surge pelas mãos de Matthew Lipman e o objectivo desta metodologia é promover as competências do pensamento crítico, criativo e cuidativo. Por volta de 1973, este professor de Lógica da Universidade da Columbia deparou-se com a lacuna dos seus alunos em termos de raciocínio; como possível solução criou um programa que permitisse aos alunos, desde muito cedo, o contacto com "o pensar".

  A filosofia é trabalhos do pensar!

  Filosofia é gostar de saber coisas (Tomás, 5 anos).

  Como se processa este "trabalho do pensar"? Em grupo, as crianças são convidadas a reflectir e a posicionar-se perante uma pergunta, texto ou imagem (os recursos podem ser diversos). Pretende-se que a criança assuma o questionar como atitude investigativa. Não se ensina Kant, nem Sartre; pretende promover-se o «treino» dos "músculos do pensamento" ou, nas palavras do Samuel de 6 anos, o "treino da mente". Questionamos, reflectimos em grupo. Assumimos posições. Às vezes, trocamos de ideia. Dizemos porquê! Para o formador ou facilitador é importante atender ao processo de pensamento que ocorre em grupo. Mais importante do que os resultados das sessões (um desenho ou uma frase, por exº) é o observar o modo como as crianças descobrem que "trabalhar com a mente é divertido". Estes "trabalhos do pensar" permitem uma agilidade e destreza na aprendizagem de qualquer outra disciplina, pois em todas elas utilizamos a capacidade de pensar. Em última instância, a FpC faz sentido, porque nos educa para o pensar (conforme defende Lipman). E o pensar faz parte das mais variadas actividades do ser humano. Pensar é algo intrínseco ao ser humano e é transversal a muitas disciplinas.

  Conceptualizar, problematizar, criar, ouvir o outro, ter a capacidade de esperar pela sua vez, tomar decisão, mudar de ideia – a FpC pode proporcionar isso mesmo.

  Para o professor Óscar Brenifier, a Filosofia serve para que as crianças tomem consciência dos dilemas: é importante que a criança saiba porque é que obedece aos pais. Obedecer ou não só "porque sim" não promove qualquer tipo de aprendizagem na criança. "A consciência do dilema fará com que aprenda a deliberar", diz-nos Óscar Brenifier.

Criatividade & Meia Dúzia de Chapéus às Cores

  "A filosofia é ter ideias para fazer obras de arte." (Hugo, 7 anos)

  "Em conjunto com o Método Six Thinking Hats® de Edward de Bono, bem como com os Mind Maps® de Tony Buzan, reforça-se a prática da criatividade e do pensamento que se esforça por olhar o mesmo, utilizando diferentes "lentes" ou prismas (que nestes caso, são chapéus às cores!).

  "Através da leitura do livro Ensine os seus filhos a pensar compreendemos que a proposta de Edward de Bono, ainda que muito utilizada nas empresas e organizações, apresenta uma proposta educativa de base muitíssimo interessante e com mais-valias para a prática do "educar para o pensar".

  "Uma experiência no jardim-de-infância, com crianças de 4 e 5 anos, onde, em conjunto com a educadora aplicámos a técnica dos seis chapéus do pensamento, permitiu-nos compreender que a partir de um código muito simples (seis chapéus, com seis cores, representando seis linhas de pensamento diferentes) é possível trabalhar e brincar com o pensamento. Partindo sempre da realidade das crianças, de exemplos do seu dia-a-dia, conseguimos orientar as crianças pela descoberta das diferentes linhas de pensamento, dando-lhes a experimentar os chapéus que "ajudam a pensar". Nesse trabalho, há espaço também para o sentir. Este projecto teve lugar no ano lectivo 2009-2010. No presente ano lectivo, o desafio acontece numa sala de 3 anos!

  "Dos Açores, chegam-nos os ecos do projecto CRIA: Criatividade e Reflexão para a Infância Açoriana. O CRIA assentou (…) na certeza de que o progresso de uma sociedade resulta do desenvolvimento da capacidade de reflexão e de intervenção dos seus membros e de que, por conseguinte, importa assegurar o futuro educando para o pensar. (…) Pensar exige uma dimensão racional, imagética, volitiva e emocional (…) – é assim que as colegas Gabriela Castro, Berta Pimentel Miúdo e Magda Costa Carvalho apresentam este projecto que teve lugar em 2006 e que deu origem a uma publicação da Universidade dos Açores.

  "Habituados aos códigos dos cintos coloridos, os alunos da Escola de Taekwondo do Casal Novo têm, desde 2008, aulas de Filosofia Prática integradas nos horários do treino. E através dessas aulas tomaram conhecimento dos seis chapéus do pensamento. O projecto PhiloTKD é fruto de uma parceria entre a Escola e o projecto Filosofia para Crianças, Criatividade & Meia Dúzia de Chapéus às Cores® e tem como objectivo geral a prática da filosofia, junto dos mais novos… e não só! Um dos grupos é constituído por adolescentes e adultos que, sem hesitar, aceitaram o desafio de colocar a Filosofia em prática.

O Duplo I: Investigar e Imaginar!

  ""Um chapéu com todas as cores? É o chapéu da imaginação!" (Tiago, 7 anos)

  "Catherine C. Mccall criou o conceito de CoPI: Community oh Philosophical Inquiry – Comunidade de Investigação Filosófica. No seu livro Transforming Thinking, temos acesso aos relatos de trabalho filosófico com crianças de 5 anos. O trabalho de Catherine mostra-nos que as crianças desta idade são capazes de usar operações formais, que reflectem sobre conceitos filosóficos abstractos, de operar com as mais diversas teorias éticas (do utilitarismo à virtude, passando pela deontologia), sendo capazes de se colocar no lugar do outro e de reconstruir o seu pensamento, ainda que este seja diferente do seu e manifeste desacordo.

  ""Nos últimos dez anos, não descobrimos apenas que as crianças têm poderes de imaginação – começámos na realidade a compreender como são possíveis estes poderes. Estamos a desenvolver uma ciência da imaginação. Como poderão ser constituídos as mentes e os cérebros das crianças para lhes permitir que imaginem este espantoso leque de universos alternativos?" - eis uma das perguntas que conduz a investigação de Alison Gopnik, relatada no livro O Bebé Filósofo. Este é um dos livros que desvelam aspectos relativos aos processos psicológicos, neurológicos e filosóficos no seio das mentes dos bebés e das crianças.

  "Para além dos textos mais "clássicos" da FpC existem trabalhos como os de Gopnik e McCall, que nos apresentam um olhar diferente sobre o trabalho que poderemos realizar com as crianças, no âmbito das sessões de "trabalho do pensamento". Aconselhamos também os livros de Óscar Brenifier, cujas colecções nesta área se revelam irresistíveis ao pensar (mas também ao olhar, pela qualidade das ilustrações) e conhecem tradução portuguesa.

  ""A Filosofia é aprender a pensar; faz-nos pensar sobre a Vida, porque a Vida é Filosofia". (Guilherme, 13 anos). Concorda? Não concorda? E sabe dizer porquê?
  ""É assim que trabalhamos em Filosofia: investigamos as questões e aquilo que nos "incomod". Mais do que oferecermos respostas, em Filosofia promove-se a capacidade de investigação. Queres saber? Pergunta! – é o mote das sessões de FpC.

Referências

BONO Edward de, Ensine os Seus Filhos a Pensar, trad. port. de Filipe Duarte, col. Biblioteca Pergaminho Inteligência Emocional, Cascais, Editora Pergaminho, Lda, 2003, 1ª edição
BRENIFIER Óscar, Enseigner par le debát, CRDP de Bretagne, 2002
BUZAN Tony, A Criança Inteligente, trad. port. de Ana Glória Lucas, Lisboa, Oficina do Livro, 2007, 1ª edição
CARVALHO Magda Costa, CASTRO Gabriela, MIÚDO Berta Pimentel (org.), CRIA – um projecto de Filosofia para Crianças, Açores, Universidade dos Açores, 2010
GOPNIK Alison, O Bebé Filósofo, trad. port. de Pedro Vidal, Lisboa, Temas e Debates | Círculo de Leitores, 2010, 1ª edição
LIPMAN Matthew, A Filosofia vai à escola, tad. bras. de Mª Alice B Prestes e Lucia M S Kremer, São Paulo, Summus Editorial, 2ª edição
McCall Catherine M., Transforming Thinking, USA e Canadá, Routledge, 2009
Entrevista de Óscar Brenifier à revista Pais & Filhos (nº 178, Novembro de 2005, pp. 62-68)

Joana Sousa
Formadora e responsável pelo projecto Filosofia para Crianças, Criatividade & Meia Dúzia de Chapéus às Cores® - Organização do I Encontro de Filosofia para Crianças e Criatividade: Sentir Pensamentos | Pensar Sentidos - http://joanarssousa.blogspot.com/
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB